...

4 procedimentos dermatológicos pra ficar linda dos pés à cabeça

Conheça 4 procedimentos dermatológicos para ficar mais linda dos pés à cabeça!

Dermatologista conta como tratar manchas, rugas, gordura localizada e estria de maneira efetiva

As temperatura mais baixa liberam alguns procedimentos dermatológicos que não são tão recomendados nos períodos mais quentes.

Como muitos procedimentos são fotossensibilizantes e o sol pode danificar a pele, o ideal é fazer esses tratamentos no inverno, um período em que a incidência dos raios UV é menor.

No inverno, é permitido fazer lasers ablativos (aqueles que machucam a pele), lasers fracionados ablativos, luz intensa pulsada, peelings e ácidos mais fortes
”, afirma o dermatologista Dr. Abdo Salomão, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Confira abaixo as indicações do médico:



PARA MANCHAS


O que há de efetivo? Vektra QS by Solon


Como age? “É uma novidade usada no tratamento de melasma, manchas e remoção de tatuagens. Ele tem duração de pulso de 15 nanosegundos e é fracionado, único no mercado que tem essas características. Solon Vektra age no melanócito (células produtoras de melanina) impedindo a célula de liberar o pigmento para as células mais superficiais. É como se o melanócito guardasse o pigmento para ele”, explica o Dr. Abdo. Para manchas solares não-melasma, uma sessão ou duas já é o suficiente. Para o melasma, uma sessão a cada 15 dias, em um protocolo de oito sessões.


PARA RUGAS E FLACIDEZ


O que há de efetivo? Total Lift By Solon


Como age? Em apenas uma sessão, Total Lift by Solon trata de maneira eficiente flacidez e rugas faciais, justamente porque age em quatro camadas da pele: músculo, derme profunda, derme superficial e epiderme.

A grande vantagem é que promove lifting facial de forma não invasiva. “O equipamento é composto de ultrassom microfocado, que age no músculo e provoca efeito lifting não cirúrgico, atuando na derme para estimular a produção de colágeno”, fala o dermatologista. A sessão seguinte é somente no outro ano.


PARA GORDURA LOCALIZADA E CELULITE


O que há de efetivo? LMG Smart Laser


Como age? LMG Smart Laser reduz mais gordura localizada que a criolipólise e em apenas uma sessão! “É um laser de fibra ótica com comprimento de onda de 1470 nanômetros e com alta afinidade pela gordura. Por meio de um pequeno furo, o laser é aplicado, elevando a temperatura dos adipócitos a mais de 100ºC. Isso promove a quebra da gordura, que vira óleo e é eliminada pelo organismo naturalmente”, explica o Dr. Abdo.

O equipamento também age nos septos fibrosos, tratando a celulite. “O furo cicatriza sem precisar de ponto. O procedimento praticamente não dói, porque é aplicado justamente em uma região onde não tem terminação nervosa de dor”, explica o médico. “Quanto ao tempo de recuperação, é de um ou dois dias no máximo”.


PARA AS ESTRIAS

O que há de efetivo? Eletroderme by Solon

Como age? É um sistema de radiofrequência microagulhada. “As agulhas de ouro ultrapassam a epiderme, emitindo ondas eletromagnéticas apenas nas camadas mais profundas da pele, preservando a superfície. Isso faz com que a temperatura da derme chegue até a 70ºC, estimulando a produção de colágeno e refazendo as fibras rompidas”, afirma o dermatologista Dr. Abdo.

A ação do Eletroderme provoca o estímulo da regeneração celular por meio do processo de cicatrização, a proliferação de células-tronco e estímulo da síntese de elastina, da neocolagênese (produção de colágeno) e angiogênese (proliferação de vasos sanquíneos). São necessárias, em média, quatro sessões com intervalos mensais.


Fonte: A LMG - Laser Medical Group (http://%20www.lmglasers.com.br)

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Qual o melhor anticoncepcional pra mim? Descubra...

Você já ouviu falar que para cada mulher, um contraceptivo diferente?

Acho que com o título você já entendeu que não adianta perguntar pra sua vizinha ou amiga qual o contraceptivo ela usa e sair correndo para a farmácia pra comprar um igual. NÃO, isso não deve ser feito, pois cada pessoa tem um organismo diferente e pode reagir de maneiras diferentes a cada medicamento, inclusive (ou principalmente) aos anticoncepcionais, por serem feitos de hormônios, que são substâncias capazes de muitas e muitas mudanças no organismo, principalmente feminino.






A escolha de qual o melhor anticoncepcional pra mim (todas as mulheres, no caso) deve ser feita pelo médico ginecologista e deve levar em consideração a história clínica, antecedentes pessoais e familiares da paciente, e hábitos ou necessidades individuais de cada mulher.

A boa notícia é que hoje há um diversificado arsenal de métodos contraceptivos disponíveis no mercado, que se adaptam aos diversos perfis.

Para ajudar na tarefa de encontrar qual o melhor anticoncepcional pra você, selecionamos alguns aspectos que devem ser levados em conta na hora da escolha.

Qual o melhor anticoncepcional pra mim? Descubra...
Qual o melhor anticoncepcional pra mim? 


Qual o melhor anticoncepcional pra você se você...



1. Não pensa em ter filhos nos próximos 3 a 5 anos 


Muitas mulheres não pensam em filhos a curto prazo, preferindo priorizar o trabalho ou a vida a dois e programar a maternidade para, no mínimo, três anos. Para essas, os métodos contraceptivos de longa ação podem ser uma boa opção, já que elas não terão de se preocupar com a contracepção diária ou mensalmente.

Entre esses métodos, estão o implante subcutâneo, um bastonete de 4 cm de comprimento com apenas progesterona em sua composição e que deve ser inserido pelo médico abaixo da pele do braço com anestesia local, a cada três anos. Outras opções são os dispositivos colocados diretamente no útero. Existem dois tipos: o DIU de cobre - sem hormônio e com duração de até 10 anos dependendo do modelo e fabricante - e o SIU, feito com o hormônio progesterona e com duração de até cinco anos.

► Leia também: Pílula do dia seguinte em excesso faz mal.

2. Esquece de tomar a pílula com frequência


Para muitas mulheres, a pílula contraceptiva é o método mais cômodo, afinal, é preciso ingerir apenas um comprimido por dia. Para outras, lembrar diariamente de tomar a pílula é um problema. Para quem não quer tomar remédio todos os dias ou que se esquece da pílula com frequência, as opções mais apropriadas podem ser os métodos não diários.

É o caso, por exemplo, do anel contraceptivo. Transparente e flexível, o anel deve ser inserido pela própria mulher uma vez ao mês, permanecendo na vagina por 21 dias, com interrupção de uma semana para menstruar. Ele libera os hormônios estrogênio e progesterona de forma gradual e contínua, inibindo a ovulação e, assim, evitando a gravidez. Outras opções para essas mulheres podem ser os contraceptivos injetáveis mensais ou trimestrais e o adesivo, colocado sobre a pele a cada sete dias, durante três semanas consecutivas, com uma de intervalo.


3. Não gosta de tomar medicamentos orais


Não gostar de tomar medicamentos orais pode ser um empecilho para algumas mulheres tomarem pílula. Para elas, há como opção métodos não orais, a exemplo do anel contraceptivo, do implante subcutâneo, dos injetáveis, do DIU/SIU e do adesivo. Esses métodos não sofrem interferências gastrointestinais, ou seja, a contracepção e o ciclo se mantêm inalterados, mesmo em casos de diarreia ou vômitos, fatores que podem impedir a absorção adequada dos componentes do anticoncepcional oral pelo organismo, quando o episódio ocorre próximo a ingesta do medicamento ou contraceptivo.

► Leia também: Anticoncepcionais de longa duração escolha de mulheres jovens.

4. Tiver sensibilidade ao estrogênio


Muitas mulheres não toleram a ação do estrogênio ou têm contraindicações ao uso do hormônio como, por exemplo, serem fumantes ou terem hipertensão. Para elas, as melhores opções são os contraceptivos livres de estrogênio (implante subcutâneo, pílulas orais só de progesterona, injetáveis trimestrais e SIU) ou métodos sem hormônio, como, por exemplo, o DIU.






5. Estiver amamentando


Mamães também precisam se preocupar com a contracepção, principalmente após a quarentena, quando o organismo e a fertilidade começam a se estabilizar. Muitas vezes, porém, elas ainda estão amamentando, o que impede que utilizem métodos contraceptivos que tenham estrogênio, hormônio que pode interferir na produção do leite. Por isso, as opções mais adequadas são contraceptivos não hormonais (como o DIU de cobre) ou só com progesterona, como é o caso de algumas pílulas orais, do SIU e do implante subcutâneo. É importante ressaltar que esses métodos são reversíveis, ou seja, podem ser suspensos a qualquer momento, se a mulher decidir aumentar a família.

6. Viajar muito por causa do trabalho


A maioria das mulheres não sabe, mas a simples mudança de fuso horário pode prejudicar o efeito contraceptivo da pílula oral, que deve ser ingerida regularmente sempre no mesmo horário. Além disso, pode ser difícil encontrar o medicamento que usa em outras cidades e, principalmente, países, dificultando o reinício da cartela e aumentando assim o risco de comprometer a eficácia contraceptiva. Por isso, para as mulheres que viajam muito, podem ser mais apropriados métodos que independem da tomada diária, como é o caso do anel contraceptivo mensal, do implante subcutâneo, dos injetáveis e do DIU/SIU.

fonte: direitodeescolha.com.br - MSD
Leia Mais ►

Quatro dicas para cuidar da pele do bebê no verão

Especialistas dão dicas para curtir a estação mais quente do ano sem preocupação com a pele bebê

A temporada mais quente do ano chegou. Nesse período, os pais devem redobrar a atenção com a pele delicada dos bebês.

“Durante os três primeiros anos de vida, a pele da criança é de 20 a 30% mais fina que as dos adultos, por isso costuma ser mais ressecada, além de ser mais sensível ao calor e a luz do sol, precisando ser constantemente protegida”, comentam as enfermeiras da Criogênesis, Natalia Modica e Luciana Santos.

Para evitar desconfortos e aproveitar todo o verão sem preocupações, as especialistas separaram algumas dicas. Confira:

VERIFIQUE A TEMPERATURA DO BANHO - É indicado que a água do banho seja morna, e não quente. Além disso, a duração deve ter no máximo 10 minutos. Esses dois fatores já diminuem a perda de água da pele. “Outro ponto importante é usar produtos que tenham o pH ligeiramente ácido, assim como é a pele do bebê, garantindo uma limpeza suave e sem ressecamento. Será melhor se o sabonete usado for líquido ao invés do de barra, pois ele é mais suave e fácil de aplicar”, indicam Natalia e Luciana.

ATENTE-SE AO PROTETOR SOLAR – As mães devem evitar a exposição solar direta dos bebês de até seis meses. “Para protegê-los, aposte em roupas leves que cubram todo o corpo, chapéus e carrinhos de bebê com tecido que filtre raios UVA e UVB”, recomendam. O filtro solar pode ser utilizado a partir do sexto mês, devendo ser do tipo baby ou mineral.

CONTROLE O SUOR – “A miliária, mais conhecido como brotoeja, é uma erupção cutânea ocasionada pelo suor abundante, que por não chegar a superfície da pele, desencadeia uma inflamação das glândulas sudoríparas causando irritação frequente e coceira”, alertam as enfermeiras. Para tratar, o melhor a fazer é aliviar o desconforto do bebê, principalmente ao refrescar e secar a área afetada, com banhos e roupas frescas. Em caso de dúvidas, procure o pediatra.

HIDRATE A PELE - A utilização de cremes, loções ou pomadas emolientes, específicas e adequadas à pele frágil e imatura do bebê devem fazer parte dos cuidados e dos hábitos de higiene. “Além de proteger a pele contra as agressões externas, esses produtos ajudam a mantê-la saudável e hidratada”, finalizam.

Fonte: Criogênesis

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Como chegar a um Corpo Perfeito Feminino: 5 procedimentos estéticos para essa meta

5 procedimentos para exibir um corpo perfeito em qualquer época do ano!

Ter um corpo invejável e admirável é sua meta? Há várias coisas que você deve fazer se deseja saber como chegar a um corpo perfeito feminino como: cuidar da alimentação, fazer exercícios regularmente (incluindo musculação), ter uma rotina saudável (inclusive mentalmente -- para não atacar a geladeira na hora da ansiedade ou da tristeza rsrs).

Conheça o Livro: Enfermagem Estética e Dermatológica: Atuação do enfermeiro na área da beleza
Baixou o preço! Só R$ 9,90

No post de hoje vamos nos fixar na realização de 5 procedimentos estéticos para chegar a essa meta. Confira!

Como chegar ao Corpo Perfeito Feminino: procedimentos
Como chegar a um Corpo Perfeito Feminino

5 procedimentos estéticos de como chegar ao corpo perfeito feminino


1. Advanced Body Shape C (para celulite)


Para quem deseja (ou precisa) obter resultados rápidos, o VelaShape 3 150W com protocolo Advanced Body Shape C é referência em tratamentos para celulite. Ele permite tratamentos rápidos e eficazes contra a celulite, agindo em apenas quatro ou seis sessões de 30 minutos, realizadas a cada 15 dias. Assim, em um mês você já consegue ver os resultados!

Como age o VelaShape 3 150W?


“No caso da celulite, o equipamento age diretamente nas camadas superficiais do tecido, onde se encontra essa alteração; no entanto, como atua simultaneamente nos tecidos mais profundos, melhora o processo inflamatório que provoca a própria celulite”, afirma a dermatologista Dra. Claudia Marçal, de Campinas (SP) que falou ao Saúde da Mulher.



O aparelho:

  • aquece o tecido até 20 mm (2 cm) de profundidade juntamente com o 
  • LED Infravermelho que aquece até 3 mm de profundidade, 
  • o vácuo (que garante entrega precisa de energia) e a 
  • massagem mecânica que ajuda no processo de manipulação e drenagem. 


“(...) é criado o aumento do processo metabólico que ativa o uso da energia armazenada nos adipócitos resultando em:

  • perda de volume celular, 
  • contração das camadas de tecido adiposo 
  • menor tencionamento dos septos fibrosos tratando a celulite
  • síntese de colágeno devido ao aumento do metabolismo dos fibroblastos melhorando a superfície cutânea”, afirma a especialista.

2. Legacy (para celulite)


O Legacy é uma novidade que conta com o sistema 4D, uma combinação de pulso magnético, radiofrequência multipolar (de 150W), Varipulse (sucção ajustável para ação profunda) e controle térmico de temperatura.

Como age o Legacy na busca pelo corpo perfeito feminino


Tudo isso traz alto impacto para promover firmeza corporal, conforme explica o dermatologista Dr. Jardis Volpe, membro da Academia Americana de Dermatologia:

“A radiofrequência multipolar [ler: Radiofrequência funciona mesmo?] aquece o tecido de maneira homogênea, de forma que este aquecimento atua sobre o colágeno e a elastina, promovendo a melhora da flacidez; mas a atuação conjunta do pulso magnético faz com que o tratamento atue sobre os fatores de crescimento dos fibroblastos, entregando no final do tratamento uma pele ainda mais firme e com mais elasticidade”, explica.

Dessa forma, a tecnologia:

  • aumenta a atividade metabólica, 
  • realiza a criação de novos vasos e, consequentemente, o aumento da oxigenação e da nutrição da pele, além de 
  • provocar estímulo nos fibroblastos, o que contribui para aumentar a quantidade de colágeno e elastina. 

O procedimento é indolor, sendo que deve ser realizada uma média de seis a oito sessões, a cada 15 dias.

3. Eletroderme (trata estrias)


Eletroderme é uma radiofrequência microagulhada com excelentes resultados para estrias. No método, as agulhas ultrapassam a epiderme, emitindo ondas eletromagnéticas apenas nas camadas mais profundas da pele, preservando a superfície.

Isso faz com que a temperatura da derme chegue até a 70ºC, estimulando a produção de colágeno e refazendo as fibras rompidas, explica a dermatologista Dra. Thais Pepe, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

“A ação do Eletroderme provoca o estímulo da regeneração celular por meio do processo de cicatrização, a proliferação de células-tronco e estímulo da síntese de elastina, da neocolagênese (produção de colágeno) e angiogênese (proliferação de vasos sanquíneos)”, completa. São necessárias, em média, quatro sessões com intervalos mensais.



4. Clacs (trata varizes)


O procedimento Clacs utiliza laser não-invasivo e injeções de glicose, para aumentar eficácia do tratamento contra as varizes [ler: Varizes em adolescentes: previna as varizes desde cedo] e reduzir os efeitos colaterais.

“Com o método combinado, o laser pode ser aplicado com energia mais baixa (o que diminui a dor no tratamento) emitindo pulsos de luz que penetram no corpo do paciente e são absorvidos pelo sangue – agindo nas varizes sem causar dano à pele”, explica a Dra. Aline Lamaita, cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Logo em seguida, a glicose é aplicada nos mesmos locais onde foi realizado o laser, potencializando seu efeito e secando as varizes. Sendo assim, o método inovador reduz a quantidade de sessões. “Outros tratamentos também podem ser indicados, dependendo do grau das varizes”, acrescenta. "Em apenas três sessões, é possível notar uma melhora significativa, de 70%", comenta a médica



Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência

Conheça o Livro: Enfermagem Estética e Dermatológica: Atuação do enfermeiro na área da beleza
Baixou o preço! Só R$ 9,90
Leia Mais ►

Desordem do espectro alcoólico fetal atingi um bebê em cada 13 mães alcoólatras

Uma em cada 13 gestantes que bebem álcool tem filho com o distúrbio...

Créditos desta matéria: O Globo 

Uma pesquisa canadense indica que uma em cada 13 grávidas que consumem álcool durante a gestação tem filhos com alguma desordem do espectro alcoólico fetal. Tal distúrbio envolve uma série de problemas para os bebês, incluindo:

  • microcefalia, 
  • déficit intelectual e de crescimento, 
  • baixo peso ao nascer e 
  • perda de visão ou audição.

Leia também: Prevenção de doenças genéticas nos filhos: a difícil escolha dos pais

Desordem do espectro alcoólico fetal

O estudo foi realizado pelo Instituto de Pesquisa em Políticas de Saúde Mental, na cidade de Toronto, no Canadá, e publicado na edição atual da prestigiada revista científica "JAMA Pediatrics".

Uma vez que os efeitos do consumo de álcool durante a gravidez têm, em geral, implicações para toda a vida da criança, o custo disso para a saúde pública é alto.

Leia também: Autismo pode ser causado por desequilíbrio hormonal na gravidez, diz pesquisa

O estudo, liderado pela cientista sênior do instituto canadense, Svetlana Popova, consiste em uma meta-análise de 24 pesquisas científicas envolvendo 1.416 crianças e jovens diagnosticados com a desordem.



Essa revisão concluiu que uma em cada 13 mulheres que consumiram bebida alcoólica durante a gestação teve filhos com a desordem do espectro alcoólico fetal.

Continue lendo a matéria no site do O Globo.

Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Suco PRÁTICO para TPM e Menopausa

Desenvolvi (Renata Fraia) essa fórmula farmacêutica caseira esse suco prático para TPM e Menopausa pensando especialmente nas mulheres que sofrem com os sintomas.

Ele é fácil de preparar -- por isso prático (bom para quem leva uma vida agitada), gostoso e super saudável. Combate sintomas como inchaço, nervosismo e calores da menopausa.




Os ingredientes do suco são em forma de pó e são encontrados facilmente em grandes lojas de produtos naturais. Anote a receita!

Suco prático para TPM e Menopausa

(por Dra. Renata Fraia)


Ingredientes

Como fazer o suco prático para TPM e Menopausa


Misture bem todos os ingredientes e beba a seguir. Tome 2 vezes ao dia.

Para melhores resultados confira também o artigo: Alimentos para TPM: o que comer nessa fase?

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos sites Saúde da Mulher e Saúde com Ciência, cursando especialização em farmácia clínica voltada à prescrição e especialista em nutrição clínica



Leia Mais ►

Tipos de depressão pós-parto

A depressão logo após o nascimento do filho pode ter várias causas. Assim, tem-se tipos de depressão pós-parto. Saiba o que é depressão pós-parto e quais são elas.

A gestação e o pós-parto podem ser considerados um período temporário de crise para a mulher. Inicialmente, porque o parto faz com que a mulher assuma um papel novo – o de mãe. Além disso, a chegada de um bebê altera a composição familiar, a situação socioeconômica da família e prevê mudanças na vida da mulher e/ou do casal.

Tipos de depressão pós-parto


“Mesmo muito bem amparada por familiares e equipe multiprofissional competente, a mulher vivencia momentos de temor e de ansiedade no parto. É por isso que modificações intra e interpessoais desencadeadas pelo parto podem se refletir no pós-parto”, explica médico do Amparo Maternal, Eder Viana.

Dados da literatura apontam que a depressão pós-parto atinge cerca de 20% das mulheres. Mas essas alterações comportamentais surgem após a alta da maternidade. Por isso é importante os familiares ficarem atentos às recém-mamães.

Depressão pós-parto o que é

1. Depressão pós-parto - Síndrome da tristeza pós-parto:


Muito conhecido como “Blues Puerperal”, derivado do gênero musical norte americano, consiste em alterações do humor com tendência a depressão. Entre os principais sintomas estão a tristeza e choro sem justificativas conflitante com um bebe saudável.

“Esta ambivalência na maioria das vezes não é compreendida pela família”, conta o obstetra. Nesta fase é importante o apoio incondicional e o obstetra deve ser contatado para uma melhor avaliação do caso. O blues inicia-se nos primeiros dias do pós-parto e dura aproximadamente quinze dias na maioria dos casos.


2. Depressão pós-parto - Depressão Puerperal:


Possui sintomas mais intensos, como instabilidade emocional, irritabilidade , depressão ansiosa , anorexia, insônia, auto avaliações negativas e reprovações. “A mãe não se considera competente para cuidar de seu filho. Críticas negativas de seus familiares podem agravar os sintomas”, explica Viana.

Nestes casos, o suporte de um médico psiquiatra torna-se fundamental no seguimento e muitas vezes o uso de medicações se torna imperiosa. “São casos mais duradouros que o Blues e que podem se tornar mais crônicos, impactando no desenvolvimento emocional da criança”, avalia o médico. Nestes casos, a mãe deve ver vigiada o tempo todo que estiver com o bebe.


3. Depressão pós-parto - Psicoses:


São casos gravíssimos onde ocorre uma ruptura com a realidade. São comuns alucinações, depressão grave, agitação severa, delírios, severas alterações do pensamento. “Nestes casos o risco de agressão ao filho e real. Existem registros de morte do recém-nascido por parte da mãe”, pondera Viana.

Este evento é mais comum na primeira gestação, em gestantes que tiveram surtos antes da gravidez e em mulheres com história familiar de doença mental. O tratamento deverá ser conduzido por um psiquiatra clínico.

Leia mais sobre gravidez.
Leia Mais ►

Reprodução assistida: o que pode ou não, segundo a legislação

Na década de 1970, o mundo reagiu com surpresa à notícia de que havia nascido o primeiro “bebê de proveta”. Atualmente, milhares de crianças são concebidas por meio de diversas técnicas de fertilização -- por Reprodução Assistida --, sendo as mais comuns a fertilização in vitro e a inseminação artificial.

Em 2016, segundo dados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), 67.292 embriões foram utilizados no Brasil em técnicas de reprodução assistida. No mesmo período, as clínicas de reprodução humana produziram 311.042 embriões.

Reprodução assistida: o que pode ou não legislação

Apesar dessas estatísticas, tais procedimentos ainda geram muitos questionamentos. Os mais comuns referem-se aos procedimentos permitidos por lei e, principalmente, quem pode submeter-se a eles.

Leia também: Novo medicamento para reprodução assistida: Rekovelle

A presidente da ADFAS (Associação de Direito de Família e das Sucessões), advogada Regina Beatriz Tavares da Silva, esclarece alguns desses pontos:

Reprodução assistida: quem pode realizar o procedimento?


Regina Beatriz a interpreta o Provimento do Conselho Nacional de Justiça, de 2016(Provimento n. 52/2016), no sentido de que os procedimentos de reprodução assistida podem ser realizados apenas por pessoas que estejam casadas ou vivam em união estável.

A produção independente (quando uma mulher solteira, separada, viúva ou divorciada, submete-se a procedimentos desse tipo) não é mais permitida no Brasil.

Inseminação artificial


Para que uma mulher viúva possa realizar o procedimento, é necessário que o marido ou companheiro de união estável tenha deixado documento, lavrado em cartório, manifestando sua concordância.

Em caso de divórcio ou separação, é necessária anuência do ex-cônjuge, em declaração firmada perante o tabelionato.



Gestação de substituição


Conhecido erroneamente no Brasil como “barriga de aluguel”, esse procedimento é realizado quando uma mulher cede temporariamente seu ventre para gerar uma criança para outro casal, sempre de maneira gratuita. A cobrança pelo “empréstimo” do ventre é proibida.

Essa gestação deve ser realizada entre parentes até o quarto grau de um dos cônjuges (mãe, filhas, irmãs, tias, sobrinhas ou primas). Apenas quando não existam parentes das duas partes em condições de gerar uma criança, e mediante autorização do Conselho Federal de Medicina, a gestação por substituição é realizada por uma terceira pessoa, sem qualquer vínculo de parentesco com os futuros pais.

E de quem é a maternidade de uma criança gerada via gestação de substituição? Embora seja expedida pelo hospital, no momento do parto, uma declaração de nascido vivo na qual consta o nome da “gestante de substituição”, a advogada explica que, no Direito brasileiro, não há qualquer vínculo entre a mulher que cede seu ventre temporariamente e a criança.

Dessa forma, quando a certidão de nascimento for expedida em cartório, constará no documento somente o nome do casal.

Doação de óvulos/espermatozoides


A doação de óvulos ou espermatozoides, não pode ser remunerada, devendo ser gratuita. Se o doador for casado ou viver em união estável, é necessário o consentimento expresso de seu cônjuge ou companheiro.

A doação de material genético deve ser realizada por meio de escritura ou instrumento público, lavrado em cartório. Desse modo, não há mais o sigilo do doador do sêmen ou da doadora do óvulo, o que é muito importante para preservar os direitos da personalidade do ser nascido de reprodução assistida.

Entre esses direitos da personalidade o direito ao conhecimento da sua identidade e memória familiar. Não existe mais o anonimato do doador e isto foi introduzido pelo Provimento do CNJ de 2016.

Fertilização in vitro


Seja realizada com gametas próprios ou com células obtidas via doação de terceiros, é imprescindível que haja expresso consentimento, tanto do cônjuge ou companheiro (a) daquela que será beneficiada com a realização do procedimento, quanto da esposa ou companheira do doador (a). Também conforme o Provimento do CNJ de 2016.



Vínculo de paternidade entre o doador de gametas e o filho gerado pelo procedimento


Embora, de acordo com a resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 2016, seja obrigatória a revelação da identidade do doador, essa informação não cria vínculo de paternidade entre o doador de sêmen e a criança gerada por reprodução assistida.

Assim, segundo Regina Beatriz, que, como Presidente da ADFAS, manifestou-se quando aquele Provimento do CNJ de 2016 estava sendo debatido, não existem deveres nem direitos entre as duas partes. Ou seja, essa pessoa não terá direito, por exemplo, a pleitear uma parte da herança do homem que doou gametas para sua concepção.

E então, gostou do artigo? Complemente sua leitura com: Relação entre FIV e gestação múltipla.

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Câncer de Mama em Cães e Gatos: Dicas de prevenção!

Outubro Rosa: previna o câncer de mama em cães e gatos.

Estamos no final de outubro, o mês mundial de combate ao câncer de mama. E ontem, examinando as tetinhas dos meus cachorros pensei: "Nossa! A gente pode prevenir ou diagnosticar precocemente o câncer de mama em cães e gatos".

E já vou logo afirmando: sim, os cães e gatos machos também podem sofrer da doença, embora em menor número do que as fêmeas. Vamos lá?!

Câncer de Mama em Cães e Gatos

Câncer de mama em cachorros e gatos


Em qual idade é mais comum surgir a doença?


A doença surge, com mais frequência, em cachorros de 7 a 12 anos, mas pode aparecer em qualquer idade.



Castrar o animal previne o câncer de mama?


A castração pode reduzir o risco de desenvolver câncer para até 0,5%. “Castrar é um ato de amor! Além de diminuir o grande número de animais abandonados, diminui muito o risco de câncer de mama e de suas consequências”, afirma a veterinária Dra. Carolina Rodriguez, que falou ao Saúde da Mulher.

Cães de raça são os mais afetados?


Sim. O câncer atinge principalmente as cadelas de raça pura porque a miscigenação presente nos cães sem raça definida (srd) diminui a chance de desenvolver a doença.

Cães que já cruzaram têm menos chances de desenvolver câncer de mama?


Não. É mito que se deve cruzar o cachorro caso não seja castrado. Estudos provam que não existe correlação da procriação com a diminuição da incidência do câncer de mama.

Dicas de prevenção do câncer de mama em cães e gatos


Prevenir é sempre a melhor opção quando se tem um animal de estimação em casa. Abaixo, conheça algumas dicas para ajudar a cuidar do seu bichinho:

Castração Precoce 


Castrar o animal é sinônimo de redução nas chances de desenvolvimento do câncer de mama. Por isso, o quanto antes o tutor decidir pela castração melhor será para o animal.



Exames em casa


Esteja sempre atento. A maioria dos animais gosta de receber carinho na barriga. Este momento é bom para examinar cada mama (10 nas cadelas e de 8 a 10 nas gatas) e sentindo qualquer alteração, procure imediatamente seu veterinário de confiança.

Anticoncepcionais


Não caia em recomendações que só vão prejudicar o pet. “É extremamente perigoso submeter pets, como cães e gatos, a tratamentos com bombas de hormônio”, explica Dra. Carolina.

Primeiros indícios do câncer de mama e tratamento


Os animais, quando estão com alguma doença, ficam acima de tudo quietos. Fique de olhos nos seguintes sintomas: caroços, inchaços na mama e ao redor, desconforto abdominal, cheiro forte e desagradável nas secreções, perda de apetite, vômito e febre.

Normalmente, o tratamento para o câncer de mama é a remoção cirúrgica da mama afetada ou de toda a cadeia de mamas, como prevenção ou consequência de metástases.



Posteriormente à cirurgia, de acordo com o tipo de câncer, pode ser necessário realizar quimioterapia e/ou radioterapia.

Essas dicas foram da Dra. Carolina Rodriguez e eu (Renata Fraia) acrescentei mais uma dica...

Hábitos de vida saudáveis ajudam a prevenir o câncer em animais


Manter hábitos saudáveis contribui para a prevenção do câncer e de outras doenças. Uma boa alimentação, com a ração própria para raça e idade do seu cão, ou a que seu veterinário indicar ajuda a evitar qualquer tipo de câncer em seus pets.

Atualmente, existem rações capazes de auxiliar no tratamento de várias doenças. Elas são mais caras? Sim! Mas os gastos com medicamentos e até retornos ao veterinário serão proporcionalmente mais baratos.

Passear com frequência e ter contato com outros animais da família (sempre vermifugados e vacinados anualmente) contribuem para a boa saúde do seu melhor amigo.

➤➤ Leia mais sobre Saúde Animal

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Novo medicamento para reprodução assistida: Rekovelle

Medicamento é nova alternativa para auxiliar mulheres que tentam engravidar com ajuda da reprodução assistida.

Um novo medicamento para auxiliar mulheres que querem ter filhos foi aprovado pela Anvisa. O produto é o Rekovelle® que tem como princípio ativo a substância deltafolitropina.

O produto é uma versão recombinante do hormônio que estimula o ovário para a produção de folículos, que são necessários para a existência de uma gravidez.


O hormônio folículo estimulante humano (FSH) estimula o ovário para o desenvolvimento, crescimento e maturação folicular, assim como a produção de esteroides gonadais em mulheres que não apresentam insuficiência ovariana primária, ou seja, que não estão na menopausa precoce.

Indicação do Rekovelle (deltafolitropina)


O produto Rekovelle (deltafolitropina) foi aprovado com a seguinte indicação terapêutica: "Estimulação ovariana controlada para desenvolvimento de folículos múltiplos em mulheres submetidas a técnicas de reprodução assistida (TRA), como a fertilização in vitro (FIV) ou a injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI)".

Fonte: Anvisa

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Mulheres obesas sofrem mais na menopausa, diz estudo

Mulheres obesas sofrem mais na menopausa, aponta pesquisa da Unicamp

Do G1

Pesquisa feita com mulheres da Região Metropolitana de Campinas (RMC), que indica incidência de calores mais severos [na menopausa], foi publicada nos Estados Unidos.

Continue lendo...

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Mamas de Alpiste: veja como fazer passo a passo (e dicas!)

As mamas de alpiste devolvem autoestima para mulheres mastectomizadas, aprenda a fazer a sua passo a passo e dicas para conservá-la e de como usar.

#OutubroRosa

A advogada Fernanda Chain, de 48 anos, foi diagnosticada com câncer de mama em 2016 e fez mastectomia (retirada total das mamas).

Em vez de recorrer às próteses de silicone, Fernanda teve a ideia de fazer as próprias mamas. Foi assim que nasceram as mamas de alpiste. Atualmente, além de produzir as mamas, a advogada as envia para outras mulheres.

O melhor de tudo é que é bem fácil e qualquer pessoa pode fazer em casa e o custo é bem acessível. Vamos aprender a fazer a mama de alpiste?

Mamas de alpiste: como fazer passo a passo

Mamas de Alpiste como fazer passo a passo
Mamas de Alpiste como fazer passo a passo / Foto: reprodução Google Images

Você vai precisar de:

1. um par de meia de náilon 3/4 nova fio 20 (tem que ser nova),
2. um medidor de 1 litro (aqueles de cozinha mesmo),
3. tesoura,
4. Um sutiã que tenha abertura lateral (próprio para enchimentos),
5. alpiste na quantidade do tamanho que você deseja que fique suas mamas (lembrando que se fizer muito grande o resultado poderá ficar artificial, não condizente com seu peso e altura). Para saber quanto usar, veja abaixo:



Quantidade de alpiste para o tamanho de mama desejado:


Tamanho 40 – 150 ml de alpiste
Tamanho 42 – 180 ml de alpiste
Tamanho 44 – 220 ml de alpiste
Tamanho 46 – 300 ml de alpiste
Tamanho 48 – 380 ml de alpiste
Tamanho 50 – 450 ml de alpiste
Tamanho 52 – 500 ml de alpiste
Tamanho 54 – 600 ml de alpiste

Passos

1. Com a ajuda do medidor, coloque o alpiste dentro da meia, tomando o cuidado para que ela fique toda no fundo da meia para não machucar o corpo.

2. Dê o primeiro nó.

3. Aperte bem esse nó.

4. Dê uma volta na prótese formada com a parte da meia que sobrou (o comprimento).

5. Dê o segundo nó, que será o bico da sua mama.

6. Coloque a prótese de alpiste dentro do sutiã com abertura.



Quanto tempo dura a mama de alpiste?


A durabilidade é de um ano. Não tente lavá-la, pois os alpistes são sementes e com água eles tendem a brotar. Como a mama de alpiste ficará dentro do sutiã, ela nunca sujará tanto quanto a peça íntima. Para conservá-la limpa por mais tempo, lave o sutiã com frequência.

Quanto tempo após a mastectomia posso usar as próteses de alpiste?


Só use após a completa cicatrização da cirurgia.


Mamas de alpiste - Dicas importantes:


1. Se sentir coceira interrompa o uso, pode ser que você seja alérgica a nylon.

2. Mantenha em local seco e arejado quando não estiver usando a prótese.

3. Não pode ser molhada de forma alguma. Se molhar superficialmente por acidente deixe secar em local com bastante vento, mas se for molhada por completo (se você esquecer de tirá-la do sutiã e perceber que a colocou na máquina de lavar sem querer), o ideal é descartar a prótese e fazer outra.

4. Para maior conforto, use com sutiã de aro e sem costura.

5. Para usar com biquíni, envolva-a em um preservativo. No biquíni/maiô, corte a parte do fosso, coloque a mama de alpiste e costure novamente.

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Começou! Outubro Rosa: mês da luta contra o câncer de mama

No mundo todo, o câncer de mama é o tumor mais comum entre as mulheres e é o responsável por quase 30% dos casos novos da doença. A estimativa do Instituto Nacional de Câncer para 2016 era de quase 60 mil ocorrências com, aproximadamente, 15 mil mortes naquele ano.
Outubro Rosa contra o câncer de mama
Para conscientizar as mulheres da importância dos exames de rastreamento para o diagnóstico precoce dos tumores de mama, o que permite um tratamento mais seguro com mais possibilidades de cura, foi o criado o Outubro Rosa. Nesse mês, várias ações são programadas para campanhas contra a doença.

É preciso lembrar que existem vários tipos diferentes de câncer, sendo que alguns têm um crescimento mais rápido e agressivo, mas a maioria tem uma evolução que possibilita um tratamento eficiente, desde que detectados em tempo hábil”;

Afirma José Antonio Marques, ginecologista, ex-vice-presidente e membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP).

Outubro Rosa: Fatores de risco para o câncer de mama


Os fatores de risco são vários, mas as mulheres com idade entre 50 e 70 anos, quem começou a usar precocemente anticoncepcional oral, aquelas sem filhos ou que tiveram após os 30, as que menstruaram cedo, quem faz uso de terapia de reposição hormonal na menopausa, com parentes de primeiro grau com câncer de mama antes dos 45 e as obesas são as que têm mais probabilidades de desenvolver a doença.



Outubro Rosa: Importância de descobrir o câncer de mama precocemente


Para descobrir o câncer precocemente, Marques ressalta a importância da realização da mamografia e do exame clínico das mamas anualmente. O especialista destaca que em países e regiões onde o acesso aos exames realizados por profissionais é feito regularmente, o autoexame não tem demonstrado uma diminuição na mortalidade.

➤LEIA: Detecção precoce do câncer de mama é enfatizada no Outubro Rosa

“As mulheres devem ser aconselhadas a praticar o autoexame como forma de conhecimento do corpo. Mas, no Brasil, a grande maioria dos casos ainda é descoberta pela própria mulher”, informa o médico.

Outubro Rosa: As opções de tratamento dependem do tamanho e da agressividade do tumor


“O tratamento cirúrgico é a etapa inicial. A retirada da totalidade da mama
(mastectomia) é, hoje, uma opção para tumores maiores que 2,5 cm, e a retirada de
parte da mama (quadrantectomia) seguida por radioterapia é a escolha para tumores pequenos, assim como a retirada de todos os linfonodos da axila, que está sendo substituída pela retirada de um deles chamado de sentinela, o primeiro a ser atingido quando o tumor se expande para além da mama. A quimioterapia é indicada para
casos de alto risco de metástases”, ressalta Marques.

NUNCA adie o início do tratamento contra um câncer!

Outubro Rosa: Complicações do tratamento


O tratamento para combater o câncer de mama também pode causar complicações no corpo da mulher, principalmente os mais mutiladores seguidos de radioterapia. A quimioterapia promove complicações temporárias e podem ser amenizadas.



“Um dos tipos de hormonioterapia pode levar à formação de tromboses e coágulo, e outro à osteoporose. A mastectomia, por também mexer com um órgão sexual feminino, pode acarretar disfunções no relacionamento do casal, portanto sempre é necessário um suporte psicológico, às vezes com terapeutas especializados em acompanhar pessoas com câncer e com sequelas do tratamento”, avalia o ginecologista.

Atenção! Minha opinião (Renata Fraia) é que, MESMO COM ESSAS COMPLICAÇÕES citadas pelo ginecologista, o tratamento mais recomendado deve ser o eleito, afinal, perder a vida é muito pior! Concordam? Complicações se resolvem, mas não dá pra voltar da morte.

Complemente sua leitura com os artigos: 
1. Mamografia: dicas para sentir menos dor na mamografia
2. Câncer de mama 'espalha' mais em tecidos obesos

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Câncer no ovário tratamento: Lynparza - olaparibe, novo medicamento contra câncer de ovário!


Tratamento de câncer de ovário ganha novo medicamento, Lynparza® (olaparibe).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro do medicamento novo Lynparza® (olaparibe), na forma farmacêutica cápsula dura.

Câncer no ovário tratamento: Lynparza olaparibe
Lynparza® (olaparibe) - Foto: Anvisa

O medicamento Lynparzaé indicado para o tratamento de manutenção de pacientes adultas com câncer de ovário do tipo 'carcinoma de ovário seroso de alto grau' (um tipo de câncer de ovário avançado), incluindo carcinoma da trompa de Falópio (parte do sistema reprodutor feminino que conecta os ovários ao útero) e carcinoma do peritônio (a membrana de revestimento do abdômen). Resumindo...

O medicamento Lynparsa - indicação


Este medicamento (olaparibe) é indicado para
  • Carcinoma de ovário seroso de alto grau,
  • Carcinoma da trompa de Falópio
  • Carcinoma do peritônio 

Ação do Lynparsa (olaparibe)


O medicamento Lynparza (olaparibe) é usado em pacientes que têm mutação (um defeito) em um dos dois genes conhecidos como BRCA1 e BRCA2 e que têm doença recorrente (quando o câncer voltou após tratamentos anteriores).

Lynparza® (olaparibe) deve ser utilizado após o tratamento com medicamentos à base de platina, quando o tumor teve uma diminuição do tamanho ou desapareceu completamente com este tratamento e a paciente manteve uma resposta durável (duração de pelo menos 6 meses).

O carcinoma de ovário é uma doença agressiva, de risco à vida. Como o número de pacientes com carcinoma de ovário é pequeno, esta doença é considerada rara, e Lynparza®(olaparibe) teve sua análise priorizada pela Anvisa.

A detentora do registro do medicamento no Brasil é a empresa AstraZeneca do Brasil Ltda, localizada em São Paulo (SP).

Se o artigo sobre câncer no ovário novo tratamento foi útil pra você, recomendo a leitura complementar do artigo: "Chá verde previne câncer de ovário".

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Passion Dust faz mal à saúde

Passion dust, a cápsula de glitter chamada "poeira da paixão" que pode prejudicar sua saúde.



A Pretty Woman Inc., uma empresa britânica, criou a Passion Dust, (em português “poeira da paixão”), uma cápsula para ser introduzida na vagina que explode durante a relação íntima, colorindo tudo e mais um pouco.

Passion Dust faz mal à saúde
Passion Dust faz mal à saúde

Embora inusitada e curiosa, a passion dust faz mal à saúde, segundo os ginecologistas. A médica Dra. Shazia Malik diz que o uso da cápsula de purpurina pode causar várias complicações, como infecções e alterar o pH vaginal.



O produto, que ainda libera um cheirinho gostoso, era vendido por cerca de R$ 40 (com 8 cápsulas), mas não está mais disponível devido a grande demanda.

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Sabrina Gonzalez Pasterski - física, a nova Einstein

Einstein já tem um colega de genialidade comparável, mas não é um físico, mas uma física!

A estudante americana com ascendência cubana, Sabrina Gonzalez Pasterski, com apenas 24 anos, está sendo chamada de “nova Einstein” pelos seus professores. A doutoranda em física na Universidade Harvard se graduou onde sempre quis, na conceituada MIT (Massachusetts Institute of Technology) já tem um passado invejável.

Aos 14 anos construiu um avião, já foi citada em um artigo científico sobre buracos negros assinado pelo famoso físico Stephen Hawking e é considerada um dos mais promissores cérebros desse campo e já foi convidada para trabalhar na área aeroespacial da Amazon.

Sabrina Gonzalez Pasterski nova Einstein
Sabrina Gonzalez Pasterski / foto: divulgação
O mentor de Sabrina no instituto, o professor Earll Murman, compara sua capacidade acadêmica à habilidade musical de Mozart (1756-1791), que muito precocemente já era considerado um gênio em sua área. “Vai ser interessante observar se ela crescerá cientificamente aos níveis de um Mozart ou de um Beethoven.”

Atualmente, sua área de estudos mudou dos aviões para mistérios maiores do universo. Numa descrição feita por si mesma em seu site pessoal, ela diz que uma de suas maiores habilidades é “encontrar elegância dentro do caos”. Para variar, seu currículo impressionou mais uma vez: vários de seus trabalhos foram citados num paper científico de Stephen Hawking, um dos pesquisadores mais destacados do mundo.

Mesmo que desista de desvendar os segredos do cosmo (e não há nenhuma indicação de que o fará), Sabrina não vai ficar sem o que fazer. Ela já declarou não suportar deixar a mente ociosa. Desde que era adolescente, chamou a atenção do bilionário Jeff Bezos, dono da Amazon, que lhe ofereceu um emprego em sua empresa aeroespacial, a Blue Origin – oferta que ele recentemente reiterou estar de pé.

Fonte: Isto É

Leia Mais ►

Diagnóstico de Endometriose: por que é tão difícil?

Por que diagnosticar endometriose é tão difícil?

Sabia que do início dos sintomas ao diagnóstico de endometriose a mulher pode levar cerca de 8 anos para obter o indicação definitiva da doença?

O diagnóstico desse mal pode ser um desafio para as mulheres que sofrem com a endometriose, doença crônica e incurável.

Por que o diagnóstico da endometriose é tão demorado?


Confira porque a confirmação é tão demorada, o que é endometriose e outros aspectos da doença.

Diagnóstico da Endometriose difícil

O que é endometriose?


Trata-se de uma doença que se caracteriza pela presença de tecido endometrial parecido com o que reveste a cavidade uterina, mas que se encontra fora do útero.

A estimativa, segundo estudos, é que a confirmação do diagnóstico pode levar em média, oito anos para acontecer.

O que pode atrasar o diagnóstico da endometriose?


Segundo Dr. Edvaldo Cavalcante, cirurgião ginecológico e especialista em endometriose, a mulher costuma percorrer um longo caminho até descobrir a doença, sobretudo quando não há sintomas aparentes.

Nas pacientes que têm sintomas, esse atraso aumenta o sofrimento físico e impacta diretamente na redução da qualidade de vida da mulher, com prejuízos na carreira, estudos e relacionamentos.

1. Automedicação em cólicas menstruais


Há alguns fatores que podem atrasar o diagnóstico. O primeiro deles é que em muitos casos as mulheres não levam suas queixas ao médico por considerarem a cólica menstrual um sintoma normal. Acabam se automedicando com analgésicos e, em muitos casos, evitam atividades sociais durante as crises.

2. Achar que sentir dor na relação é normal


“Por muito tempo as mulheres, e por que não dizer que alguns médicos, também acreditavam que cólica e dores na relação eram sintomas normais durante toda a sua vida. Mas, hoje sabemos que esses sintomas podem ser o primeiro sinal da endometriose e, por isso, qualquer queixa clínica deve ser valorizada”, afirma o médico.

3. Não relatar os sintomas ao médico


Esquecer ou deixar de informar os sintomas abaixo pode aumentar a demora pelo diagnóstico.

Quando desconfiar que tenho endometriose (quais os sintomas da endometriose)?


Segundo o Dr. Edvaldo, a dor pélvica é o principal sintoma da endometriose. Que se manifesta de várias formas, tais como:

  • dismenorreia (cólica menstrual), 
  • infertilidade,
  • dor pélvica crônica (ou acíclica), 
  • dispareunia de profundidade (dor durante a relação), 
  • alterações intestinais cíclicas (dor à evacuação, sangramento nas fezes, aumento do trânsito intestinal durante o período menstrual), 
  • alterações urinárias cíclicas (ardor, perda de sangue na urina, aumento da frequência acompanhando o fluxo menstrual).

➤ Leia também: Sintomas da Endometriose

Como chegar ao diagnóstico da endometriose?


Após a suspeita clínica da endometriose, o médico irá iniciar a investigação com exames de imagem específicos, como o ultrassom pélvico transvaginal com preparo intestinal e/ou ressonância magnética com preparo intestinal. Entretanto, esses exames são outros fatores que podem contribuir para o atraso no diagnóstico.

“Esses exames devem ser realizados por médicos especializados e preparados para a intepretação das imagens que mapeiam a endometriose. Infelizmente, há escassez de médicos capacitados nos laboratórios e centros médicos brasileiros”, diz Dr. Edvaldo.

Diagnóstico definitivo é sempre cirúrgico?


Por muito tempo, as mulheres que tinham a suspeita clínica de endometriose eram submetidas à cirurgia por videolaparoscopia para confirmação diagnóstica e este era o único método definitivo para confirmação da doença.

Entretanto, segundo Dr. Edvaldo, graças ao avanço do diagnóstico por imagem (ultrassom e ressonância magnética) e à experiência dos médicos especializados em endometriose, após a suspeita clínica, exames físico e por imagem, o diagnóstico da endometriose é firmado na grande maioria dos casos.

“A videolaparoscopia diagnóstica ficou reservada para um seleto grupo de pacientes. Atualmente, conseguimos diagnosticar, mapear e individualizar o melhor tratamento da endometriose, que pode ser clínico ou cirúrgico”, comenta o médico.

Como mensagem final, Dr. Edvaldo reforça a importância da valorização das queixas de cólicas menstruais, principalmente em mulheres jovens, pois a doença pode ter início precoce, e nessa fase o principal sintoma será a cólica menstrual intensa.

“Quando a dor for intensa e exigir repouso ou afastamento das atividades rotineiras, é preciso prestar atenção. Cólica menstrual não deve ser algo incapacitante, se for, o médico deve valorizar a queixa e investigá-la”, conclui.

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Osteopatia no tratamento da infertilidade

Dr. Randy Marcos* diz que osteopatia é tratamento para engravidar

Constituir uma família é o sonho de muitas mulheres, porém alguns fatores podem dificultar engravidar, entre eles está a infertilidade.

O que é considerado uma pessoa infértil?


Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (EUA), são consideradas inférteis mulheres em idade reprodutiva que não engravidam após um ano de relações sexuais desprotegidas.

Osteopatia infertilidade
Dr. Randy Marcos / divulgação

Mundialmente, cerca de 1,5 milhões de mulheres casadas com idade entre 15 e 44 anos sofrem com este problema, sendo relacionado com diversas causas:

Principais causas da infertilidade


  • 27% desordens ovulatórias, 
  • 25% problemas masculinos, 
  • 22% disfunções tubárias, 
  • 17% fatores inexplicáveis, 
  • 5% endometriose e 
  • 4% outros fatores.


Retração facial, cicatrizes e deficiências circulatórias quebram a homeostase corporal, tornando o meio susceptível às congestões linfáticas na cavidade pélvica, além das alterações na distribuição espacial dos órgãos na pelve, do aumento nas assimetrias biomecânicas, déficits no funcionamento do sistema nervoso autônomo, diminuição na nutrição local pelo mau suprimento sanguíneo, além da alta concentração de “lixo metabólico”, o que torna a mulher inapta para a concepção da vida.

Perceber se há algum problema com o sistema reprodutor pode ser mais fácil do que se imagina. Alguns sintomas são previamente identificados, como cólicas menstruais, síndrome pré-menstrual, cistos ovarianos, instabilidade emocional e depressão.

Tratamento de osteopatia para infertilidade


O tratamento de origem osteopática - uma especialidade da fisioterapia que atua por meio de técnicas manuais em favor de todo o organismo - favorece o metabolismo tecidual e promove uma espécie de limpeza nos órgãos reprodutores, diminuindo a pressão nos vasos sanguíneos, facilitando o suprimento arterial e colaborando para a absorção de nutrientes.

Há uma grande quantidade de ligamentos no sistema genital, os quais são importantes para o funcionamento dos órgãos pélvicos. O ligamento uterovesical liga a bexiga ao útero, o uterosacral liga o útero ao sacral, suspendendo o útero posteriormente, além dos ligamentos ovarianos e tubo-ovarianos. Tais conexões possibilitam a dinâmica dos órgãos pélvicos, principalmente durante o ciclo menstrual e gravídico.

Ter conhecimento e realizar o tratamento necessário destes sintomas é essencial para melhorar o funcionamento dos órgãos reprodutores, porém é preciso ficar atento e, no caso da osteopatia não apresentar uma melhora, buscar um tratamento mais intenso.

* O Doutor Randy Marcos, é fisioterapeuta osteopata e Coordenador da Escuela de Osteopatía de Madrid Brasil em Recife, Pernambuco.

marcadores: #infertilidade #como eu posso engravidar

Fonte: EOM Escuela de Osteopatía de Madrid (www.osteopatiamadrid.com.br)

marcadores: #osteopatia para infertilidade #infertilidade #como eu posso engravidar #quer engravidar

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Tipos de Celulite

Os tipos de celulite são divididos (ou classificados) em "graus" do problema. quanto maior o número de grau, maior o problema da celulite. Confira:

Tipos de Celulite


Tipos de Celulite


- Celulite grau 0 (sim, existe o grau zero): Sem ondulações ou irregularidades na pele ao ficar de pé ou deitado, mas ao pinçar a região surgem as ondulações, mas não covinhas ou depressões;

- Celulite grau 1: Sem ondulações e irregularidades na pele ao ficar de pé ou deitado, mas ao pinçar a região surgem as ondulações e também covinhas e depressões;

- Celulite grau 2: Ondulações, rugosidades, depressões e covas espontaneamente se fica de pé, mas não deitada;




- Celulite grau 3: Ondulações, rugosidades e covinhas estão presentes mesmo deitado.

- Celulite grau 4:Em casos graves e crônicos de celulite podem aparecer nódulos e endurecimento da pele.

Leia Mais ►

Calcinha absorvente Pantys (100% brasileira). O que você acha de lavar a calcinha em vez de jogar absorventes fora?

Assim que comecei a ler sobre a calcinha absorvente pensei: putz! é muito mais fácil usar e descartar o absorvente... mas aí li que quem falou sobre essa ideia no Brasil foi a chef-nutricionista Bela Gil. e foi aí que a ficha caiu!

Se uma mulher como a Bela, que prega hábitos super saudáveis e que não agridem o meio ambiente usa as calcinhas absorventes é justamente por serem laváveis, ou seja, por não poluírem o meio ambiente como faz o absorvente.

Calcinha absorvente Pantys: tudo sobre ela!


Agora já existe uma calcinha absorvente produzida no Brasil, a calcinha absorvente Pantys, que possui diversos benefícios.
Calcinha absorvente Pantys preço
Calcinha absorvente Pantys / foto: Reprodução site Pantys

Quais são os benefícios e vantagens da calcinha absorvente?


  1. tem tecido antimicrobiano,
  2. seu tecido bloqueia odores,
  3. possui apenas 1/3 da espessura de um absorvente comum, 
  4. absorve o mesmo que dois absorventes externos, 
  5. é reutilizável (nesse caso quem ganha é o meio ambiente e quem habita nele), 
  6. pode ser lavada na máquina,
  7. dura até dois anos
  8. o custo benefício compensa (quanto você gasta por ano com absorventes?). 

Como usar a calcinha absorvente?


A recomendação é de usá-la o dia todo (isso mesmo!) nos dias de fluxo leve e de 6 a 10 horas, nos dias de fluxo intenso. Bom né?

Qual o preço das calcinhas absorventes?


A Pantys lançou quatro modelos de calcinhas —  tanga, biquíni, clássica e "hot pant" — com valores que variam de R$ 75 a R$ 95 e podem ser adquiridas no site da marca.

O que você acha de usar calcinha absorvente em vez dos absorventes tradicionais?

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Açúcar do leite materno evita infecções no bebê, diz estudo

Açúcar do leite materno protege bebê contra bactérias, diz estudo

Quem diria... um 'açúcar do bem'! Só poderia mesmo vir das mamães, né? E foi uma pesquisa que demonstrou que o açúcar do leite materno ajuda a proteger os bebês contra bactérias!

A pesquisa da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos e apresentada à Sociedade Americana de Químicos, em Washington, descobriu que os açúcares presentes no leite materno têm propriedades antibacterianas.

Açúcar do leite materno evita infecções no bebê, diz estudo

Assim, o leite materno é um 'complexo e mutável' conjunto de proteínas, açúcares e gorduras que ajudam a proteger o bebê contra infecções bacterianas.

A equipe interdisciplinar de pesquisadores, liderada pelo químico Steven Townsend, descobriu que alguns dos carboidratos presentes no leite materno não só têm propriedades antibacterianas próprias, como potencializam a eficácia das proteínas antibacterianas também presentes no leite.

Isto depois de, no passado, os cientistas terem concentrado as suas investigações na procura da fonte das propriedades antibacterianas nas proteínas.

"Este é o primeiro exemplo de atividade antimicrobial generalizada nos carboidratos do leite humano", disse Steven Townsend, em declarações para um artigo da Associação Americana pelo Desenvolvimento da Ciência

Ele acrescenta que uma das "propriedades mais notáveis destes compostos é o fato de serem claramente não tóxicos, ao contrário da maioria dos antibióticos".

Agora, com demais estudos, a ideia é identificar o que faz com que alguns açúcares sejam mais efetivos que outros e, com isso, desenvolver medicamentos a partir desse benefício do leite materno humano.

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

Suco para TPM (só 3 ingredientes)

Criei esse suco para TPM ajudar as mulheres com sintomas de TPM e principalmente TDPM (o tipo mais grave de TPM) -- que compromete toda a vida da mulher.

Os ingredientes foram pensados para aliviar (e mesmo tirar totalmente) os sintomas desse mal que afeta tantas mulheres (e seus maridos, namorados, namoridos, noivos, pais, irmãos, amigas, colegas de trabalho, 😁 etc.).

Suco anti TPM
Suco para TPM - por Dra. Renata Fraia

Anote!

Suco para TPM

(por Dra. Renata Fraia)

Para 1 copo:
  • 100 ml de suco de soja do sabor e marca de sua preferência*
  • 4 ramos de agrião
  • 6 uvas-passas

Bata tudo no liquidificador e beba 3 vezes ao dia (pode preparar os 3 copos e guardar em jarra escura na geladeira). Beba por todo o período da sua TPM.

* uso o da Soyos ou Ades, por serem menos doces.

Fórmula de Renata Fraia (farmacêutica especializada em nutrição clínica)

NOTA: Desenvolvi, originalmente, esse suco para TPM com pó de açaí no lugar da uva-passa, mas como não é tão fácil encontrar, substituí pelas uvas-passas. Portanto, a receita original era:

Suco para TPM (ORIGINAL)

  • 100 ml de suco de soja da sua preferência*
  • 4 ramos de agrião
  • 1/2 colher de chá de açaí em pó
Prepare como o anterior.

>> Veja outro suco para TPM (com mais ingredientes).

Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência
Leia Mais ►

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA: Importação de sêmen aumenta

Importação de sêmen aumenta mais de 2.500%

As solicitações e consequentes anuências de importação de amostras de sêmen aumentaram significativamente -- mais de 2.500%, de 2011 a 2016.

Esses são dados do 1° Relatório de Importação de Amostras Seminais para uso em Reprodução Humana Assistida, produzido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A partir dos dados de importação de Amostras Seminais, o relatório apresenta informações relevantes como a procedência e o destino das amostras; as características fenotípicas dos doadores de sêmen solicitadas no processo de importação, por exemplo, a cor dos cabelos e dos olhos.

Importação de sêmen aumenta

Ainda, o perfil dos solicitantes das amostras, dentre outras. Assista aqui o vídeo com mais explicações desse Relatório.

O documento apresenta números inéditos, como o crescimento importante de importação do material por casais homoafetivos, quando é analisado o número de amostras por cada grupo, nos últimos três anos.

O grupo que apresentou maior crescimento foi o de casais homoafetivos de mulheres, em 279%, seguido pelo grupo de mulheres solteiras, em 114% e pelo de casais heterossexuais, em 85%, isso no período de 2015 a 2016.

Outro dado é que, de 2014 a 2016, foram emitidas anuências para a importação de 1.011 amostras. Destas, 79% foram destinadas aos Banco de Células e Tecidos Germinativos – BCTG da região Sudeste, 10% da região Sul, 6% foram enviadas à região Nordeste e 5% aos Bancos da região Centro-Oeste do país.

O Estado de São Paulo importou a maioria das amostras solicitadas à Anvisa – 657 (65%), seguido pelo Estado do Rio de Janeiro com 122 importações – 12%.

A maioria dos BCTG encontram-se no Estado de São Paulo, são 47 Bancos.

Quanto às características fenotípicas, das 1.011 amostras seminais importadas, de 2014 a 2016, a cor dos olhos azul foi a predominante – 524 amostras (52%). Em segundo lugar ficou castanho (24%), seguida da cor verde (13%) e avelã (11%).

O relatório objetiva levantar elementos para a discussão do aperfeiçoamento dos modelos regulatórios e das políticas de reprodução humana no país. Bem como, dar transparência às ações da Anvisa no cumprimento de sua missão: promover o acesso a produtos e serviços seguros e de qualidade ao cidadão brasileiro.

“Ao longo dos últimos anos, com a tendência de aumento da importação de amostras seminais, a Anvisa tem considerado a necessidade de uma abordagem cada vez mais eficiente no que tange aos trâmites do processo de importação, de forma a integrar análises técnicas que repercutam, de fato, na qualidade e segurança do material biológico e otimizar os trâmites documentais”, explica Joao Batista da Silva Junior, Gerência de Sangue, Tecidos, Células e Órgãos da Anvisa (GSTCO), área responsável pela liberação das importação de amostras de sêmen.

A GSTCO trabalha em parceria com as Coordenações de Portos, Aeroportos e Fronteiras (CPAF) dos aeroportos de desembaraço de mercadoria.

Regulações e normas vigentes sobre reprodução humana assistida


No Brasil, não há Lei específica para disciplinar os aspectos da Reprodução Humana Assistida - RHA.

A Lei n° 11.105, de 24 de março de 2005, conhecida como Lei de Biossegurança, apresenta, critérios para fins de pesquisa e terapia com a utilização de células-tronco embrionárias.

No entanto, existem outros dispositivos normativos definidos pelo Conselho Federal de Medicina - Resoluções CFM n° 2121/2015 e n° 1931/2009 (Código de Ética Médica)

Do ponto de vista de risco sanitário, os BCTGs devem funcionar segundo as determinações da Anvisa por meio da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) n° 23, de 27 de maio de 2011.

Segundo esta RDC, os Banco de Células e Tecidos Germinativos devem estar devidamente regularizados junto ao órgão local de vigilância sanitária, mediante a submissão periódica de ações de inspeção e fiscalização do cumprimento dos requisitos sanitários, dentre os quais: aspectos de estrutura física, padronização de técnicas laboratoriais, seleção das amostras de doadores e pacientes, testagem laboratorial para detecção de marcadores de infecções transmissíveis e realização de registros documentais.

Vale ressaltar que apenas pessoas jurídicas podem solicitar a anuência de importação desse tipo de material. No caso, exclusivamente, os Bancos de Células e Tecidos Germinativos brasileiros ou o seu representante, na figura do importador.

O prazo para análise e emissão da anuência, definido na legislação, a partir do momento de recebimento de toda a documentação pela área técnica da Anvisa é de 5 dias úteis. No entanto, o tempo médio gasto para este processo técnico tem sido em torno de 3 dias.



Redação: Renata Fraia - farmacêutica e jornalista, atuando desde 2008 na atenção e assistência farmacêutica nos blogs Saúde da Mulher e Saúde com Ciência cor background: #FEDCF6 Leia também: http://saude-mulher.com/search/label/
Leia Mais ►

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada