Alteração no ciclo menstrual pode indicar Síndrome dos ovários policísticos

Alterações no ciclo menstrual podem ser indicativos da Síndrome dos ovários policísticos (SOP)

A síndrome dos ovários policísticos é um distúrbio endócrino caracterizado por alterações hormonais e funcionais dos ovários que, via de regra, apresentam múltiplos e pequenos cistos. De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que 20% a 30% das mulheres desenvolvem a SOP no país.

Alteração no ciclo menstrual pode indicar Síndrome dos ovários policísticos
Alteração no ciclo menstrual pode indicar Síndrome dos ovários policísticos

"As portadoras da síndrome costumam apresentar irregularidade menstrual, ciclos anovulatórios, infertilidade, maior produção de hormônios androgênicos, favorecendo o aparecimento de pelos e acne, aumento de gordura abdominal e maior risco de desenvolver obesidade, diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e alguns cânceres", explica a Dra. Sônia Tamanaha, ginecologista e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Apesar do desenvolvimento do distúrbio ocorrer durante toda a vida, o período em que a SOP mais acomete as mulheres é a idade reprodutiva. Geralmente, as primeiras manifestações começam ainda na adolescência - após 2 anos da primeira menstruação - com persistência de atrasos ou ausência dos ciclos menstruais, estendendo-se até o início do período da transição para a menopausa. Cerca de 6 a 10% da população feminina entre 18 e 45 anos apresentam a disfunção.

"Por outro lado, é importante destacar que são mulheres jovens que têm a possibilidade de adotar mudanças no seu estilo de vida, receber intervenções terapêuticas efetivas e minimizar as possíveis repercussões negativas - se diagnóstico e tratamento forem realizados precocemente", afirma a Dra. Sônia.

>> Leia também: Menstruar ou não menstruar.

A detecção dessa síndrome é feita por meio de um conjunto de critérios clínicos, laboratoriais e ultrassonográficos - que podem revelar os múltiplos cistos ovarianos.

Segundo a professora, o tratamento é direcionado às necessidades particulares de cada mulher, dependendo do desejo ou não de engravidar e na prevenção de futuras complicações em virtude da frequente associação com outras doenças.

"Nesse sentido, a orientação nutricional e estímulo à atividade física são as primeiras recomendações - especialmente para aquelas com excesso de peso. Além disso, podem ser necessárias orientações cosméticas, incluindo depilação a laser, medicações para normalizar a função menstrual, controlar o hiperandrogenismo, associação de tratamentos clínicos e da infertilidade", finaliza a Dra. Sônia.

Fonte: Dra. Sônia Tamanaha - Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

>> Leia mais sobre MENSTRUAÇÃO.
Leia Mais ►

Acupuntura na gravidez alivia enjoos e dores lombares

Acupuntura na gravidez ajuda no alívio de enjoos e dores lombares. Prática também auxilia em sintomas como enxaquecas, diabetes e hipotireoidismo e problemas emocionais; conheça os benefícios.

A acupuntura tem sido uma grande aliada das futuras mamães. Como alguns medicamentos e substâncias podem ser prejudiciais nos primeiros meses de gravidez, a prática da medicina chinesa é uma boa alternativa para colaborar no bem-estar e na saúde materna.

Acupuntura na gravidez: Ponto de acupuntura para enjoo
Acupuntura na gravidez alivia enjoos e dores lombares

“Durante a gestação, o uso da acupuntura é um dos recursos mais importantes para a mãe e para o bebê, uma vez que alguns remédios podem causar danos ao feto. Dessa forma, a prática tem trazido benefícios para ambos”, explica a médica e diretora do Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa (Center AO), Marcia Lika Yamamura.

Benefícios da acupuntura na gravidez


  • Recomendada para aliviar alguns desconfortos da gravidez, a acupuntura tem forte aplicação em enjoos e vômitos das gestantes, 
  • inchaço, 
  • hipertensões arteriais (DHEG), 
  • dores como cefaleias, enxaquecas, lombalgia,
  • auxilia no controle de doenças como diabetes e hipotireoidismo. 

No pós-parto a acupuntura também é eficaz na hipogalactia, ou seja, quando a mãe não produz leite suficiente.

A acupuntura ajudar nos seguintes sintomas da gravidez:

Dores de cabeça: Enxaquecas e cefaleias, comuns para algumas mulheres durante a gravidez, podem ter os sintomas minimizados durante a gravidez;

Enjoos e vômitos: Nos primeiros meses de gravidez esses sintomas podem ser corriqueiros e a acupuntura é mais uma aliada para trazer alívio às gestantes, o método usando o ponto de acupuntura para enjoo também pode ser eficaz contra a azia;

Inchaços: Em alguma fase da gravidez a gestante pode sentir as pernas inchadas. Para diminuir o incômodo, a acupuntura é uma alternativa para diminuir o desconforto, além de colaborar para uma melhor circulação sanguínea;

Lombalgias: Dores nas costas, na lombar ou mesmo má-postura pela nova condição corporal tendem a aparecer durante a gravidez. A prática também é bem-vinda para aliviar estes sintomas;

Sintomas emocionais: Tristeza, raiva, revolta, preocupação, tensão, medo, ansiedade, depressão. São muitas emoções nesta fase da vida e a acupuntura também pode auxiliar no equilíbrio da mente, proporcionando mais bem-estar a futura mãe.

Além dos sintomas acima, a acupuntura auxilia ainda a melhorar sintomas, como: constipação intestinal, sensação de falta de ar, indisposição, qualidade do sono, má posição fetal e pós-parto.

“Quanto mais à mulher estiver saudável e com as emoções equilibradas, mais tranquila pode ser sua gestação”, conclui Marcia Lika Yamamura.

Benefícios da acupuntura para o bebê (dentro da barriga da mamãe)


“Como a prática oferece mais bem-estar para a mãe, o bebê também sentirá o reflexo dos benefícios através da relação materno fetal. A mãe que sofre de alguma doença, seja por dores ou emoções, pode transmitir essas sensações ao bebê. Com o auxílio da acupuntura, o bem-estar fetal também será proporcionado”, explica Marcia Yamamura.

Como funciona a acupuntura na gravidez


Técnica milenar da medicina chinesa, a acupuntura estimula as terminações nervosas por meio de agulhas finas e equilibra as energias do corpo e da mente, restabelecendo as energias do corpo. A técnica geralmente é aplicada em pontos específicos do corpo.


Onde não aplicar as agulhas nas gestantes

Na gestação, as agulhas não devem ser aplicadas na pelve ou no abdômen abaixo da altura uterina, além de pontos que podem provocar contrações uterinas.

“Por isso, recomenda-se que a acupuntura seja feita por um médico especializado na prática, pois é preciso conhecer a anatomia humana”, afirma Marcia.

Espero que tenhas gostado do artigo sobre acupuntura na gravidez e o/a convidamos para ler outro artigo: Qual a relação entre gravidez x Alzheimer?
Leia Mais ►

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada