PODOLOGIA: Cuidados com os pés ... sempre é bom!

Neste post você irá aprender como a podologia e os cuidados com os pés influenciam na saúde dos pés e para tratar as doenças dos pés.

Sabia que os cuidados com os pés precisam ser frequentes... e preventivos? Pois bem, isso é verdade, para que eles fiquem livres de problemas como calos e verrugas, e sempre belos, o ideal é o acompanhamento de um especialista a cada 90 dias. (mas a frequência pode variar de pessoa para pessoa e a depender do caso).




Podologia - cuidados com os pés


Fazer um acompanhamento preventivo com podologia a cada 90 dias é importante para identificar precocemente focos de micoses e fungos (sabidamente difíceis de eliminar), além de desenvolvimento de calosidades, surgimento de verrugas plantares, formação de calos e até a suscetibilidade de encravamento das unhas. Então, didaticamente exemplificando...

Cuidados com os pés que a podologia trata (prevenção e tratamento)


» Micose
» Onicocriptose (unha encravada)
» Onicofose (calo na lateral da unha)
» Hiperqueratose (calo provocado por atrito constante)
» Bromidrose (chulé)
» Rachaduras
» Verruga plantar
» Frieira
» Afinamento do calcanhar (para melhorar a pisada)


Podologia: prevenção de doenças


Entre os mais precavidos contra as doenças dos pés estão os diabéticos, obesos e idosos. Para quem não está incluído nesses grupos, recorrer ao tratamento da doença já instalada ainda é a atitude mais recorrente. No entanto, o ideal é fazer um tratamento de podologia preventivo, a cada 90 dias, mais ou menos a depender de alguns fatores como, unhas que tendem a encravar, pé muito ressecados e "rachados", pessoas que trabalham em pé e as que ainda precisam usar salto alto diariamente.

Complemente sua leitura com o artigo: Rachaduras nos pés: tratamento natural.

marcadores para essa postagem: podologia, cuidados com os pés, doenças dos pés, podologia tratamentos, saúde dos pés.
Leia Mais ►

Dicas de cuidados com a pele no outono

Confira algumas dicas de cuidados com a pele no outono, estação nem fria nem quente, mas com tendência de tornar a pele mais seca e sem vida, além de haver pequenas descamações e maior ressecamento no joelho e cotovelos. Continue lendo e veja algumas...

Dicas de cuidados com a pele no outono 


Dicas de cuidados com a pele no outono
Dicas de cuidados com a pele no outono 


— O clima de outono é mais seco e a pele pode ficar mais ressecada. Além do prejuízo estético é importante destacar que a pele mais seca é mais suscetível a alergias e a infecções por bactérias, fungos e vírus — alerta a coordenadora do departamento de Laser da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro, Gabriella Albuquerque.


Prefira banhos mornos


Para proteger o maior órgão do corpo humano (A PELE) no outono, é necessário evitar os longos banhos quentes, bastantes comuns nesta época do ano. Na hora de se ensaboar, é bom que se evite os excessos.

“O banho morno, assim como o excesso de sabonete, retiram a gordura que produzimos naturalmente pelo nosso organismo e que funcionam como um excelente hidratante. É preciso reduzir a temperatura da água e diminuir o uso de sabonetes”, explica a Drª Gabriella. 

Hidrate toda a pele do corpo


A dermatologia orienta ainda que logo após o banho deve-se começar o ritual de hidratação da pele. “Procure hidratantes ricos em ceramidas que é um lipídeo importante para manter a barreira de proteção da pele.

Alguns óleos, como semente de uva ou de amêndoa doce ajudam na lubrificação. Produtos como dimeticona e d-pantenol são indicados também, porque ajudam a reter mais água”, diz.

Aproveite para fazer tratamentos de pele


A chegada de uma estação mais fria, no entanto, também tem o seu lado positivo. A temporada de outono e inverno é a melhor época para realizar tratamentos dermatológicos que exigem o mínimo de exposição ao sol e ao calor, como é o caso dos peelings, da depilação definitiva, dos tratamentos para o rejuvenescimento e para o clareamento de manchas.

Gostou do post? Complemente a leitura com o artigo: Rachaduras nos pés: tratamento natural.


Leia Mais ►

Tribulus terrestris mulher aumenta libido e fertilidade

Fitoterápico Tribulus terrestris regulariza a produção e a liberação do hormônio testosterona no organismo.

Estimular a libido feminina com um produto natural é a proposta dos medicamentos que contêm em sua formulação o Tribulus terrestris, fitoterápico proveniente da Europa meridional. Essa substância estimula a produção e a liberação de testosterona no organismo quando há quantidade inferior ao desejado, sempre dentro dos limites naturais do corpo.

Tribulus terrestris mulher aumenta libido e fertilidade
Tribulus terrestris mulher aumenta libido e fertilidade

O Tribulus terrestris contém em sua composição a protodioscina, substância que tem a propriedade de elevar as concentrações de um hormônio precursor da testosterona. Além disso, simula a ação de uma enzima que converte a testosterona em sua forma ativa. Seu mecanismo de ação modula a produção e a atividade da testosterona, fundamental para a regulação da libido feminina.

No homem, a protodioscina age em dois pontos: estimula as células germinativas, produtoras de espermatozoides e estimula também as células de Sertoli, que regulam a produção de espermatozoides pelas células germinativas.

A diminuição da libido pode ter importantes repercussões na vida da mulher. Entre estas, a redução da sua autoestima e dificuldades de relacionamento conjugal. As abordagens terapêuticas que visam o aumento da libido são multifatoriais, ou seja, envolvem não apenas os hormônios, mas também toda a gama de fatores psicológicos relacionados com a sexualidade humana. A consulta aos profissionais de saúde envolvidos no tratamento das disfunções sexuais é fundamental para o sucesso do tratamento.

O incremento das disfunções sexuais se deve, entre outras causas, à diminuição dos níveis hormonais que ocorre devido ao avanço da idade. Os níveis de testosterona estão relacionados com a manutenção da libido. Em um estudo conduzido no Brasil, 4.753 ginecologistas responderam que a queixa de diminuição do desejo sexual estava entre os principais motivos de procura por consultas em seus consultórios.

Tribulus terrestris estudos


Os estudos mostram que o aumento do hormônio precursor de testosterona é muito significativo com o uso de Tribullus pelas mulheres. No estudo realizado pela UNESP, que investigou a melhoria da disfunção sexual com uso de Tribullus em 144 pacientes, foi utilizada uma escala composta por seis domínios: desejo, excitação, lubrificação, orgasmo, satisfação e dor e observou-se a melhora estatisticamente significativa em quatro deles: desejo, excitação, orgasmo e satisfação.

Em outro estudo, que buscou avaliar a eficácia do Tribullus na melhoria da qualidade do sêmen do homem foi evidenciado que antes do tratamento 46% deles apresentavam alterações na quantidade e na motilidade dos espermatozoides. Ao final do tratamento com Tribullus, 65% apresentaram aumento estatisticamente significativo na quantidade e motilidade destes espermatozoides.

Estudos demonstraram que o Tribulus terrestris não provoca picos hormonais, o que pode explicar o perfil de segurança mais favorável, com menos incidência de efeitos colaterais, quando comparado a outros medicamentos.

O primeiro produto a base de Tribulus terrestris surgiu no Brasil em 2007, com posologia de 1 comprimido 3x ao dia. Recentemente, foi lançada no país uma nova apresentação que oferece a comodidade posológica de apenas 1 comprimido por dia.

Fonte: Herbarium

► Leia também: Viagra feminino deverá ser produzido em breve


Leia Mais ►

Fertilização in vitro após os 50 anos, agora pode!

Após ter sido proibida e ter gerado muitas polêmicas, a fertilização in vitro para mulheres acima de 50 anos foi liberada...

... Mas já começo o texto avisando, a gravidez após os 50 anos geralmente (exceto se a saúde da mulher foi excelente) é de alto risco, tanto para a gestante quanto para o bebê. E, com a liberação da fertilização in vitro para mulheres, o Conselho Federal de Medicina diz que se as mulheres acima de 50 anos recorrerem à técnica, elas e seus respectivos médicos deverão ser totalmente responsabilizados pelos riscos envolvendo tal decisão.

Fertilização in vitro após os 50 anos, agora pode!
Fertilização in vitro após os 50 anos, agora pode!

Agora vamos à notícia propriamente dita...




Uma nova resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina) libera mulheres com mais de 50 anos para fazer tratamento de inseminação artificialsem autorização da entidade. A mudança na política para fertilização in vitro – técnica de reprodução assistida que consiste na fecundação do óvulo em laboratório para formar o embrião – também prevê que casais de mulheres homossexuais possam ter gestação compartilhada, com uma recebendo o óvulo da outra.

No caso de gravidez compartilhada, o óvulo de uma mulher poderá ser colocado no útero da outra após receber o espermatozoide do doador.

Leia também: 30% das mulheres que fazem fertilização tem mais de 40 anos.

A nova publicação também reforça que apenas mulheres em tratamento para engravidar podem doar óvulos. A regra foi criada para evitar o "mercado de gametas". O CFM detectou casos de mulheres saudáveis que faziam a doação em troca de cirurgia plástica, por exemplo.

Essa é a terceira atualização de regras de fertilização in vitro desde 1992, quando a resolução sobre o tema foi criada pelo conselho. Os novos critérios passam a valer a partir da publicação, que deve acontecer nesta quinta-feira, tanto para a rede pública quanto particular.

Os riscos de uma gravidez após os 50 anos


Se engravidar após os 50 anos, a mulher tem 60% a mais de probabilidade de ter um bebê prematuro pesando menos de 1 quilo, além de risco maior de pressão alta e diabetes gestacional.

Comentário Saúde da Mulher sobre como se preparar para uma gravidez tardia





Uma boa dica para que os riscos de engravidar após os 50 anos é a mulher mais jovem (mas que imagina que ficará grávida com idade avançada) se cuidar muuuito. Ter uma alimentação muito saudável (leia: Abacate aumenta a fertilidade), ir uma vez ao ano no ginecologista - converse com seu ginecologista sobre a necessidade de ir a cada 6 meses ao consultório, se tiver algum problema como cistos ou pequenos miomas no útero - e fazer atividades físicas regularmente.

Além disso, comente sobre seu desejo de engravidar mais tarde com seu médico e quais os conselhos dele para que você comece a se preparar o quanto antes. Ah! Ter uma saúde mental satisfatória também ajuda muito. Considere fazer terapia com um bom terapeuta. Renata Fraia - Farmacêutica.

Leia também: Rede Cegonha para gravidez de alto risco.
Leia Mais ►

Mais posts...

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada