Pintas podem ser câncer de pele?

Dermatologista desmistifica uma dúvida muito comum: "Pintas podem ser câncer de pele?"

Segundo a médica dermatologista, Dra Keila Mitsunaga, pessoas de pele clara que apresentam mais de cem pintas pelo corpo ou que costumam ficar expostas ao sol sem proteção por muito tempo têm maior propensão a desenvolver o câncer de pele, que pode começar com uma mancha que parece uma pinta inocente.

Embora represente apenas 4% dos tipos de câncer de pele mais comuns entre os brasileiros, o chamado melanoma cutâneo pode causar a morte, se não for diagnosticado no início. Segundo ela:

“O melanoma é o tipo mais perigoso de câncer de pele que existe. Isso porque ele costuma se manifestar em uma forma similar às pintas comuns que temos pelo corpo e não apresenta qualquer outro sintoma até produzir metástase (se espalhar pelo corpo) e contaminar outros órgãos como pulmão, cérebro e fígado, o que, muitas vezes, é letal”. 

Como identificar as pintas que são câncer de pele?


Com o autoexame, é possível distinguir pintas comuns das pintas que podem ser melanoma. É preciso analisar fatores como rapidez no crescimento da mancha, desde o momento da aparição, tamanho – diâmetro maior de 6 mm pode ser suspeito –, assimetria, irregularidade nas bordas e coloração diferenciada em relação às outras pintas do corpo.

A atenção deve ser maior com pintas que doem ou sagram, pois pode significar que a lesão (doença) está avançada. Em qualquer um desses casos é imprescindível procurar um dermatologista, afinal, quanto antes o problema for identificado, mais chances de sucesso terá o tratamento.

►► Leia também: Chá verde previne câncer de ovário

Grupo de risco do melanoma


Quando falamos em melanoma cutâneo, alguns grupos de pessoas correm mais riscos do que outros. Segundo a Dra Keila, pessoas de pele clara que apresentam mais de cem pintas pelo corpo ou que costumam ficar expostas ao sol por muito tempo sem proteção são sérias candidatas a desenvolver a doença.

“Fatores como utilização de bronzeamento artificial, histórico familiar, idade superior aos 50 anos e ocorrência prévia de melanoma acentuam os riscos do problema em pessoas com este perfil”, revela.

“Em todos esses casos, a realização de check-ups dermatológicos anuais para o diagnóstico precoce do problema é fundamental”, ressalta a médica.

Diagnóstico do câncer de pele melanoma x pintas comuns


Em casos de suspeita, a presença de melanoma pode ser confirmada por meio da biópsia de pele (toda pinta suspeita é sempre removida e enviada para a biopsia).

Se a pinta não representar a doença, o médico avisará o paciente na próxima consulta, além de orientar que o protetor solar seja usado diariamente e pedir que o paciente retorne anualmente para checar o aparecimento de novas pintas que podem ser câncer, embora se confundam com pintas comuns.

Quando o tumor já se espalhou pelo corpo, uma combinação de exames como tomografia, radiografia e ressonância magnética auxiliam no diagnóstico.

Tratamento do câncer de pele melanoma


Quando confirmado, o melanoma costuma ser tratado de maneira cirúrgica. Porém, o tipo de procedimento a ser adotado varia conforme o estado de saúde do paciente, a localização, o tamanho e agressividade do tumor.

Na cirurgia retira-se o câncer e também parte da camada de pele lateral que o circunda para exames posteriores (para que se certificar de que não há resquícios de células malignas que possam migrar para todo o corpo).

“Dependendo do estágio do câncer, é preciso aplicar, além da remoção cirúrgica do tumor, tratamentos como quimioterapia e imunoterapia”, explica a Dra Keila. “Porém, com informação, acompanhamento médico e check-ups dermatológicos regulares, é possível prevenir o avanço da doença e lidar com o problema de forma menos traumática e quase sempre bem-sucedida”, finaliza.

Gostou do artigo? Espero que sim. Complemente sua leitura com o artigo: Unhas de gel podem causar câncer de pele.

Fonte: Dra Keila Mitsunaga, dermatologista da Unidade Avançada Cidade Jardim do HCor – Hospital do Coração


Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Mais posts...

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada