Tratamentos Estéticos na gravidez. O que pode e o que não pode fazer

Todo cuidado nesta fase é pouco, por isso as futuras mães precisam estar atentas ao que é permitido ou proibido na gestação.

A gestação é um período de ebulição de hormônios que transforma completamente o comportamento do organismo e altera principalmente a pele, por conta da fragilidade das células e da retenção de líquido, comum neste período. Além da alimentação diferenciada, da hidratação da pele e drenagens linfáticas que diminuem e até previnem estes sintomas, os tratamentos estéticos são uma alternativa para as mulheres que querem manter a boa forma.

Segundo a fisioterapeuta e dermatofuncional da Ibramed, Aline Stringhetta, antes de fazer qualquer tratamento é preciso cautela.






"É sempre indicado conversar com o médico antes de iniciar qualquer tratamento. Assim como existem tratamentos contraindicados, há aqueles que não prejudicam a gestação e favorecem o bem-estar da mãe, auxiliando na diminuição do inchaço e manchas", explica.

O uso de equipamentos e tratamentos estéticos na gravidez geram inúmeras dúvidas, principalmente pelos mitos durante a gestação. Para ajudar as futuras mamães, ela fez uma lista de contraindicações e tratamentos que ajudam a mulher cuidar do corpo durante a gestação.

Tratamentos Estéticos na gravidez



Tratamentos Estéticos na gravidez. O que pode e o que não pode fazer
Tratamentos Estéticos na gravidez. O que pode e o que não pode fazer


Peeling, alguns tipos são liberados

Na gestação aparecem inúmeras manchas, principalmente após a exposição ao sol. Existem peelings que não são agressivos à pele, que não descamam ou causam inflamações, apenas fornecendo uma limpeza profunda das células mortas que causam inchaço, manchas e acne, como é o caso do peeling ultrassônico. A tecnologia consiste em uma espátula que, ao entrar em contato com a pele, emite uma vibração, que é bem confortável para a paciente e indicado para a pele sensível das gestantes.


Leia também: Fertilização in vitro após os 50 anos, agora pode!


Procedimentos no abdômen, pode?

NÃO! Nenhum equipamento deve ser utilizado nesta área. Os tratamentos estéticos não podem ser realizados na área do abdômen, pois são prejudiciais ao bebê. Um tratamento indicado para a área é a utilização de cremes hidratantes desde que prescritos pelo médico.


Radiofrequência e ultrassom, fique longe!

Não podem ser realizados em nenhuma gestante, independente do lugar da aplicação. Na gravidez, é prejudicial expor a gestante à radiofrequência e tratamentos estéticos de ultrassom. Por segurança, no caso da radiofrequência, é preciso ficar a uma distância mínima de 10 metros de quem estiver aplicando.






Fotodepilação, melhor evitar!

Não existe nenhum estudo que mostre que o equipamento é ou não prejudicial ao bebe. "Por este motivo, é melhor evitar, até que a ciência tenha mais indícios da segurança do procedimento para gestantes", explica a dermatofuncional.


Leia também: Infertilidade feminina pode se originar na adolescência.


Carboxiterapia, necessita autorização médica

Pode ser feito, entretanto, é necessário que a gestante converse com o seu médico. O equipamento não tem uma contraindicação, pois o gás utilizado é o mesmo encontrado no corpo. Porém, como se trata de uma terapia minimamente invasiva, é importante ter a autorização do médico.

Endermoterapia, está liberado

As gestantes podem fazer a endermoterapia nas pernas e braços. É uma massagem mecânica na pele através de roletes, feita com movimentos lentos e que promovem a mobilização dos líquidos parados, descongestionando, desintoxicando e drenando o tecido.

Fonte: Ibramed


Leia Mais ►

Exame de sangue detecta câncer de mama 5 anos antes

Parece inacreditável imaginar que um exame de sangue poderia detectar o câncer de mama 5 anos antes dos sintomas? Melhor ainda é imaginar que com o resultado se pode prevenir que a doença se desenvolva de fato. Vamos entender?




Segundo uma pesquisa dinamarquesa da Universidade de Copenhagen, além de detectar o câncer de mama cinco anos antes, este novo exame é muito mais preciso que a mamografia (considerado até agora o melhor exame para detectar o câncer de mama no começo).

Leia também: Outubro Rosa X Câncer de Mama: importância de prevenir o câncer de mama.

Exame de sangue detecta câncer de mama 5 anos antes
Exame de sangue detecta câncer de mama 
Fazendo um comparativo, o novíssimo exame de sangue pode prever até 5 anos antes do câncer se desenvolver e ainda tem um nível de precisão de 80%, enquanto os exames de mamografia são de 75% e só depois que a pessoa já desenvolveu a doença. Uma diferença bastante expressiva, não?

O novo exame de sangue também pode resolver o problema de falsos positivos que vem assombrando a mamografia há muito tempo.

Leia também: 10 motivos para fazer mamografia.

Como funciona o exame de sangue que detecta câncer de mama 5 anos antes?


Os cientistas observaram 57.000 participantes ao longo de 20 anos, recolhendo amostras de sangue ao longo do caminho. Desse total, foi retirada uma amostra de 800 mulheres, dividida em dois grupos – aqueles que permaneceram saudáveis ​​durante todo o processo, e aqueles que desenvolveram câncer de mama no prazo de 7 anos de sua primeira amostra de sangue.

Leia também: Quais alimentos comer ou evitar para prevenir câncer de mama.

As amostra de cada uma dessas mulheres foram comparadas e os respectivos perfis metabólicos construídos. Tais perfis eram muito semelhantes entre cada grupo, ou seja, as que desenvolveram o tumor, tinham um determinado perfil; já as que não desenvolveram apresentavam outro. A observação das amostras sanguíneas foi feita "a fim de detectar mudanças na forma como os compostos bioquímicos são processados durante a fase pré-cancerosa", diz Laura Donnelly no Telegraph. O conceito é o mesmo usado por pesquisadores da Universidade de Harvard em os EUA para prever as chances de uma pessoa desenvolver outros tipos de câncer, como leucemia, linfoma e síndrome mielodisplásica. Nos próximos anos, poderemos olhar para certas mutações que acreditamos originar de células estaminais* presentes no sangue.

* Células estaminais são aquelas cujo destino ainda não foi "decidido". Podem transformar-se em vários tipos de células diferentes, através de um processo denominado "diferenciação".




Devido aos resultados, foi possível prever com precisão de 80% se os pacientes seriam afetados pela doença. A função do exame de sangue para câncer de mama ajudar a prevenir futuros possíveis cânceres de mama, tornando o combate e sobrevivência para cada mulher próximo de 100%.

Leia também: Teste genético que detecta câncer de mama.

Fonte: http://www.sciencealert.com/new-blood-test-can-predict-breast-cancer-five-years-before-it-develops.
Leia Mais ►

Autoexame de mamas é rotina anual de 36% das mulheres brasileiras

Campanhas ajudam na conscientização da luta contra o câncer de mama e incentivam na realização do autoexame de mamas.

O mês de outubro é marcado por diversas ações que promovem a conscientização e informação sobre o câncer de mama. A campanha “Outubro Rosa” ganha mais força a cada ano.

Autoexame de mamas é rotina anual de 36% das mulheres brasileiras
autoexame de mamas
Pesquisa realizada pela Hibou comprova que mulheres estão mais atentas a doença, 36% das mulheres brasileiras fazem o autoexame uma vez ao ano.

O estudo mostrou que 92% das mulheres brasileiras acreditam que campanhas como o “Outubro Rosa”, realizada por marcas, empresas e entidades, aproximam as mulheres de mais informações relacionadas ao câncer de mama, além de estimular os cuidados com a saúde e, principalmente, a prevenção.

Leia também: Exame de sangue detecta câncer de mama 5 anos antes.

A pesquisa – realizada com 1335 mulheres de todo país, com idade entre 16 e 70 anos – mostrou também que 73% das entrevistadas conhecem alguém que já teve câncer de mama. Das entrevistadas, 36% são solteiras, 45% são casadas, 10% estão divorciadas, 9% são viúvas.


A maioria delas já parece entender a importância de se prevenir e dos cuidados extras que se deve ter com a saúde, mesmo antes de ser diagnosticada com algo.

O autoexame de mamas é uma das primeiras formas de descobrir o câncer. Assim que localizado um nódulo, é recomendável procurar um médico para fazer uma pesquisa mais profunda.




No que diz respeito ao autoexame de mamas no combate ao câncer:


• 36% das mulheres fazem o autoexame uma vez por ano
• 28% realiza uma vez por mês
• 15% não sabem sobre o exame
• 15% das entrevistadas faz o autoexame mais de uma vez por mês
• 6% têm o habito de fazer o autoexame uma ou menos vezes ao ano

Uma das formas de diagnosticar o câncer de mama é através da mamografia, o exame é feito através de um aparelho de raio-x que pode identificar tipos de lesões benignas ou malignas que podem indicar um câncer na região.O exame, quando feito regularmente, pode reduzir em até 30% as mortes.

Leia também: Quais alimentos comer ou evitar para prevenir câncer de mama.

Mesmo com forte divulgação na mídia, a pesquisa mostrou que as mulheres ainda precisam de mais informações relacionadas ao assunto.

Sobre a mamografia a pesquisa mostrou que:


• 38% das mulheres acreditam que o exame seja obrigatório apenas após os 40 anos
• 26% acima de 35 anos
• 19% acima dos 30 anos
• 8% acha valido que o exame seja feito a partir da 1º menstruação
Ainda que não frequente, 70% das entrevistadas já fez o exame em algum momento da vida, 81% através da rede particular e 20% pela rede pública.

Quando questionadas sobre a última mamografia:


• 45% delas fizeram em 2015
• 32% em 2014
• 12% entre 2008 e 2012
• 6% em 2013
• 5% não lembram do ano





A visita regular ao ginecologista é um dos cuidados que a mulher não deixa de lado, mais da metade das entrevistadas afirmam fazer consultas mais de uma vez ao ano.

• 64% consultam o ginecologista pelo menos uma vez ao ano
• 22% fazem duas consultas anuais
• 6% não sabem
• 4% uma vez a cada dois anos
• 2% vão mais de duas vezes ao ano e uma vez a cada cinco anos

Fonte: Hibou

Leia mais sobre Câncer de mama no Saúde da Mulher
 
Leia Mais ►

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada