• Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher

Addyi, o Viagra feminino acaba de ser aprovado

Em junho deste ano, publiquei no Saúde da Mulher sobre o estudo que descobriu o viagra feminino, ou melhor, um medicamento capaz e aumentar a libido feminina, ou o desejo da mulher. Na ocasião o post era: Viagra feminino: como funciona o flibanserin.

Agora, volto para noticiar que o medicamento foi de fato aprovado pelo FDA (uma espécie de Anvisa dos americanos) e já tem até nome comercial (flibanserin é o nome da substância), Addyi, o Viagra feminino que acaba de ser aprovado.

Addyi, o Viagra feminino acaba de ser aprovado
Addyi, o Viagra feminino acaba de ser aprovado


Agora as mulheres com baixo interesse sexual vão poder ver sua libido aumentada com o Addyi. O medicamento foi aprovado apenas para as mulheres que ainda não entraram na menopausa, mas alguns médicos afirmam que o Addyi, também chamado de pílula rosa, também servirá para tratar mulheres mais jovens.

Como o medicamento flibanserin Addyi surgiu


As propriedades do medicamento foram descobertas por acaso, durante testes para remédios antidepressivos. Apenas a título de curiosidade, o Viagra® foi desenvolvido inicialmente para tratar a hipertensão, mas nos testes os homens apresentaram a ereção como efeito colateral, o que mudou todo o curso do estudo.

Segundo a FDA, as mulheres que utilizaram o remédio por um tempo de um mês afirmaram que tiveram nesse período 4,4 experiências sexuais satisfatórias. O grupo que se submeteu aos testes e tomou placebo em vez do medicamento relatou uma média de 3,7.

Leia também: Viagra feminino: Lybrido será o viagra para mulheres.

O medicamento que foi desenvolvido pelo laboratório Sprout Pharmaceuticals, já havia sido rejeitada duas vezes pelo FDA. Em 2010 foi a primeira reprovação e depois em 2013. O órgão alegou que os resultados dos que tomaram o medicamento em relação àquelas que tomaram placebo foi muito pequena.

A demora em encontrar um medicamento que resolvesse os problemas das mulheres deve-se á complexidade da sexualidade feminina. O desejo nas mulheres dependem de outros fatores, como estresse, ansiedade, estado de humor, atração pelo parceiro, entre outros que não são apenas os sexuais.

Como age o viagra feminino


Ação da flibanserina difere do Viagra. A pílula azul age no local, aumentando o fluxo sanguíneo no pênis para manter uma ereção. Já o medicamento para as mulheres não age de forma imediata. As mulheres devem ingerir o medicamento todas as noites, antes de dormir. O efeito pode ser obtido dentro de quatro semanas em média. O auge ocorre após dois meses de tratamento.

Para saber mais como funciona o viagra feminino, leia o post: Viagra feminino: como funciona o flibanserin.

Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada