Tipos de depressão pós-parto

A depressão logo após o nascimento do filho pode ter várias causas. Assim, tem-se tipos de depressão pós-parto. Saiba o que é depressão pós-parto e quais são elas.

A gestação e o pós-parto podem ser considerados um período temporário de crise para a mulher. Inicialmente, porque o parto faz com que a mulher assuma um papel novo – o de mãe. Além disso, a chegada de um bebê altera a composição familiar, a situação socioeconômica da família e prevê mudanças na vida da mulher e/ou do casal.

Tipos de depressão pós-parto


“Mesmo muito bem amparada por familiares e equipe multiprofissional competente, a mulher vivencia momentos de temor e de ansiedade no parto. É por isso que modificações intra e interpessoais desencadeadas pelo parto podem se refletir no pós-parto”, explica médico do Amparo Maternal, Eder Viana.

Dados da literatura apontam que a depressão pós-parto atinge cerca de 20% das mulheres. Mas essas alterações comportamentais surgem após a alta da maternidade. Por isso é importante os familiares ficarem atentos às recém-mamães.

Depressão pós-parto o que é

1. Depressão pós-parto - Síndrome da tristeza pós-parto:
Muito conhecido como “Blues Puerperal”, derivado do gênero musical norte americano, consiste em alterações do humor com tendência a depressão. Entre os principais sintomas estão a tristeza e choro sem justificativas conflitante com um bebe saudável.

“Esta ambivalência na maioria das vezes não é compreendida pela família”, conta o obstetra. Nesta fase é importante o apoio incondicional e o obstetra deve ser contatado para uma melhor avaliação do caso. O blues inicia-se nos primeiros dias do pós-parto e dura aproximadamente quinze dias na maioria dos casos.


2. Depressão pós-parto - Depressão Puerperal:
Possui sintomas mais intensos, como instabilidade emocional, irritabilidade , depressão ansiosa , anorexia, insônia, auto avaliações negativas e reprovações. “A mãe não se considera competente para cuidar de seu filho. Críticas negativas de seus familiares podem agravar os sintomas”, explica Viana.

Nestes casos, o suporte de um médico psiquiatra torna-se fundamental no seguimento e muitas vezes o uso de medicações se torna imperiosa. “São casos mais duradouros que o Blues e que podem se tornar mais crônicos, impactando no desenvolvimento emocional da criança”, avalia o médico. Nestes casos, a mãe deve ver vigiada o tempo todo que estiver com o bebe.


3. Depressão pós-parto - Psicoses:
São casos gravíssimos onde ocorre uma ru
ptura com a realidade. São comuns alucinações, depressão grave, agitação severa, delírios, severas alterações do pensamento. “Nestes casos o risco de agressão ao filho e real. Existem registros de morte do recém-nascido por parte da mãe”, pondera Viana.

Este evento é mais comum na primeira gestação, em gestantes que tiveram surtos antes da gravidez e em mulheres com história familiar de doença mental. O tratamento deverá ser conduzido por um psiquiatra clínico.

Leia mais sobre gravidez.
Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo.

Não indicamos medicamentos, pois apenas um médico, dentista e farmacêutico são autorizados a prescrever prescrever medicamentos e, ainda sim, em um local físico de trabalho.

Fornecemos aconselhamento/assistência farmacêutica.

Infelizmente, não conseguimos responder a todas as perguntas, mas muitas são respondidas pelos próprios internautas que veem as perguntas e as respondem.

ATENÇÃO!
Respostas que não foram escritas pelo Saúde da Mulher NÃO são de responsabilidade do Blog.

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada