Angelina Jolie retira os seios. Por quê?

Recebi com um susto e até com um certo preconceito: "A atriz Angelina Jolie retira os seios com medo de câncer de mama", mas - passado o susto - vi que sua atitude tem fundamento e foi recomendada por seus médicos.

A revelação foi feita em artigo publicado no jornal ‘The New York Times’. Os médicos da diva disseram que a atriz tinha 87% de chances de desenvolver um câncer de mama. Este tipo de câncer que Jolie corria grandes riscos de ter foi o mesmo que matou sua mãe aos 56 anos. Um tumor agressivo e presente em seus gens. Aos 37 anos, a atriz diz que descobriu ter um “defeito” no gene chamado BRCA1.

Segundo a atriz seus médicos disseram que suas chances de desenvolver o câncer de mama caíram de 87 para 5% (excelente prognóstico, não?), e revelou:

"Minha mãe lutou contra o câncer por quase uma década e morreu aos 56″, diz a atriz no começo do texto. “Ela viveu o suficiente para conhecer seus primeiros netos e segurá-los nos braços. Mas minhas outras crianças nunca terão a chance de conhecê-la e sentir quão amável e graciosa ela era”, afirma."
Angelina Jolie retira os seios. Por quê?


“Quando soube que essa era minha realidade, decidi ser pró-ativa e minimizar o risco o quanto podia. Tomei a decisão de ter uma dupla mastectomia preventiva”, diz a atriz. “Comecei com os seios, já que meu risco de câncer de mama é mais alto que meu risco de câncer no ovário, e a cirurgia é mais complexa”, afirma.

O tempo para a reconstrução das mamas com implantes foi relativamente demorado, durando nove semanas.

“Eu queria escrever isso para contar a outras mulheres que a decisão de fazer uma mastectomia não foi fácil. Mas estou muito feliz de tê-la tomado”, diz Angelina.

Um alerta que eu gostaria de deixar claro, não saiam por aí retirando seios para não terem câncer. O caso dela era pontual, ou seja, a chance de ela desenvolver a doença era de quase 90%.

E o que fica disso tudo para nós mulheres? Ainda hoje, há muitas mulheres que relutam em fazer a retirada das mamas mesmo em casos de câncer avançado, porque isso afetaria sua feminilidade. Mas elas não pensam que se não o fizerem, não terão chances de viver com ou sem feminilidade, pois não estarão vivas. E, com as técnicas de reconstrução mamária, esse medo de ‘deixar de se sentir mulher’ já não faz mais sentido.

Leia mais sobre câncer de mama.

Fonte: NY Times
Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo.

Não indicamos medicamentos, pois apenas um médico, dentista e farmacêutico são autorizados a prescrever prescrever medicamentos e, ainda sim, em um local físico de trabalho.

Fornecemos aconselhamento/assistência farmacêutica.

Infelizmente, não conseguimos responder a todas as perguntas, mas muitas são respondidas pelos próprios internautas que veem as perguntas e as respondem.

ATENÇÃO!
Respostas que não foram escritas pelo Saúde da Mulher NÃO são de responsabilidade do Blog.

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada