• Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher

A pílula anticoncepcional na saúde da mulher

A mulher atual vive em ritmo acelerado e desempenha diversos papeis sociais. Por isso, ela está em constante busca por independência e qualidade de vida. Esse cenário está intimamente ligado ao surgimento da pílula anticoncepcional, no início dos anos 60.

A pílula anticoncepcional permitiu que a mulher passasse a controlar a fertilidade, conquistasse sua liberdade sexual com segurança e praticidade e, mais recentemente, aliasse a contracepção a outros benefícios oferecidos pela pílula – como o alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual, a melhora da oleosidade da pele e a redução do fluxo menstrual. Estima-se que aproximadamente 70% das brasileiras sofram com estes sintomas.



A pílula anticoncepcional
A pílula anticoncepcional/foto
A pílula anticoncepcional é também o método contraceptivo mais utilizado no mundo, sendo uma forma reversível de controle de natalidade que preserva a fertilidade da mulher, mesmo após longos períodos de uso.

Uma pesquisa realizada com mais de 4 mil brasileiras identificou que as mulheres usam a pílula principalmente por sua segurança e eficácia (61%), mas os benefícios adicionais - como melhora da TPM, cólicas, acne etc – (48%) e regular a menstruação (44%) ocupam posição de destaque.

No entanto, somente o ginecologista poderá indicar para as pacientes o melhor método contraceptivo e, caso seja sugerida a pílula anticoncepcional, o médico prescreverá o tipo mais indicado para cada perfil de mulher. Hoje, existem pílulas que contém um princípio ativo que ajuda no controle da tensão pré-menstrual. Além disso, ajudam a diminuir a retenção de líquido, sintoma comum durante este período.

A pílula anticoncepcional pode também ser fundamental para tratamento da Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), distúrbio que atinge entre 4% a 7% brasileiras em idade reprodutiva, e é uma das maiores causas de infertilidade. A condição afeta a produção hormonal e provoca aumento dos hormônios masculinos, os androgênios, no organismo da mulher.

Uma queixa muito frequente nos consultórios são as mulheres que apresentam irregularidades no ciclo menstrual, fugindo do padrão normal de intervalos entre uma menstruação e outra. Em muitos casos a menstruação irregular ocorre por desequilíbrio hormonal. Por isso, a melhor forma de combater o problema é o uso do anticoncepcional, que ajuda a regularizar a taxa hormonal no corpo feminino.

Por isso, é muito importante que as mulheres se informem com seus médicos sobre os métodos contraceptivos mais indicados e tenham a pílula como uma aliada para a sua saúde.

Dra. Angela Maggio da Fonseca, professora associada e livre-docente da Disciplina de Ginecologia do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Leia mais sobre pílulas anticoncepcionais
Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada