• Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher
  • Anunciar no Saúde da Mulher

Mulheres não protegem os olhos

Segundo uma pesquisa realizada pelo IBOPE com 284 mulheres, revelou que a maioria delas usam apenas os óculos de grau, o que não protege os olhos do sol.

Das entrevistadas só 8% usam óculos escuros com grau quando vão à praia, embora 97% acreditem que a radiação UV (ultravioleta) prejudica a visão. A pesquisa também mostra que apesar da maioria não usar lentes com proteção UV, 95% das entrevistadas acreditam que a radiação provoca o envelhecimento da pele ao redor dos olhos.

De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, porta–voz da pesquisa, a falta de proteção solar nos olhos pode causar alterações imediatas e em logo prazo nos olhos.

O médico diz que uma alteração imediata decorrente da exposição ao sol sem proteção é a queimadura da pele periocular. Não por acaso, comenta, para 2012 a estimativa do INCA (Instituto Nacional do Câncer) aponta a pele como a parte mais atingida pelo câncer no Brasil. “Esta previsão evidencia o uso inadequado do filtro solar pelo brasileiro”, afirma.

E o que é pior - entre mulheres a situação é ainda mais grave. No ano que vem o INCA prevê que o número de casos de câncer de pele entre mulheres seja 14% maior do que nos homens, totalizando 71,5 mil casos contra 62,68 mil entre eles.

“Apesar da metástase da pálpebra para os olhos ser incomum, nos casos de câncer não melanoma que é o tipo mais prevalente, a doença pode causar lesões palpebrais e desencadear cicatrizes na córnea que conduzem à queda visual”, comenta.

Para Queiroz Neto a melhor forma de proteger os olhos e a pele da região é usar óculos que tenham lentes com filtro UV. Isso porque, um estudo do especialista mostra que o contato dos filtros cosméticos com a mucosa ocular provoca a conjuntivite tóxica e a alérgica. “Os óculos com filtro eliminam este risco e o uso incorreto do protetor solar”, afirma.

Risco da falta de sintoma

Outra alteração imediata, ressalta, é a fotoceratite, inflamação da córnea por queimadura de primeiro grau. Em geral ocorre após 6 horas ininterruptas de exposição dos olhos ao sol sem proteção.

O médico alerta que embora os sintomas – olhos vermelhos e ressecados – desapareçam depois de 48 horas longe do sol, não significa que o problema tenha sido resolvido. Isso porque, a fotoceratite provoca o desprendimento de células do epitélio, camada externa da córnea que vai perdendo a transparência.
Para a população parece um mal menor, mas é uma importante questão da saúde pública, afirma.

Efeitos cumulativos da radiação

Queiroz Neto diz que de acordo com estudos internacionais a falta de proteção UV aumenta em até 60% a chance de contrair catarata. A doença torna o cristalino opaco e responde por 47% dos casos de perda da visão no Brasil.[Band]
Leia Mais ►

Mamografia 3D para tumores pequenos

A mamografia é o exame mais indicado para detectar precocemente o câncer de mama e todos os tumores de mama (tumores benignos e malignos, conhecido como câncer de mama).

O principal benefício do procedimento é produzir imagens mais precisas dos contornos de um tumor. uma pista importante na hora de investigar suspeitas de câncer bordas irregulares costumam sugerir malignidade.

A mamografia 3D, ou tomossíntese, se mostrou capaz de aumentar em até 12% a detecção precoce do câncer de mama. doença responsável por quase um terço de todas as neoplasias que afetam as paulistanas. O resultado foi apresentado na edição 2011 do Congresso Europeu de Radiologia pelo Centro de Diagnóstico Brasil (CDB) Premium - o primeiro a adquirir a tecnologia na capital. Na cidade, também o Hospital Sírio Libanês trabalha com a técnica.

O principal benefício do procedimento é produzir imagens mais precisas dos contornos de um tumor. uma pista importante na hora de investigar suspeitas de câncer bordas irregulares costumam sugerir malignidade. Quando a lesão é muito pequena, contudo,essa tarefa é mais difícil. "Com a tomos-síntese há melhor definição das bordas das lesões. possibilitando obter melhor detecção de lesões muito sutis", diz o radiologista Aron Belfer. especialista no diagnóstico de câncer de mama e coordenador dos estudos realizados no CDB. A unidade trabalha com a técnica desde o ano passado e o estudo apresentado no congresso é um balanço dos resultados obtidos até o momento.

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio de sua assessoria, informou à reportagem que não há previsão de incorporação da técnica ao Sistema Único de Saúde (SUS). O valor é um fator impeditivo: o equipamento 3D custa quase o dobro do valor de um mamógrafo digital. "Mas também existe uma economia, já que essa técnica faz com que sejam produzidas menos imagens", ressalta Belfer. Segundo ele, com a mamografia 3D, a redução no total de imagens feitas das mamas, em relação ao procedimento tradicional. é de até 40%.

Para a paciente, o que muda é o tempo de compressão das mamas é maior na tecnologia da mamografia 3D. Na técnica comum, explica Belfer, são fornecidas imagens bidimensionais de uma estrutura que é tridimensional. "Então, pode ocorrer uma superposição de estruturas cm planos diferentes da mama, escondendo lesões bem pequenas. Cada imagem da tomos-síntese representa um plano de 1 mm da mama, eliminando essa superposição dos tecidos."

A detecção precoce do tumor é importante para pacientes com câncer de mama. Quando isso ocorre, a chance de cura passa de 90%, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). A instituição estima, para o próximo ano, 5.760 novos casos de câncer de mama na capital, o tipo de neoplasia mais incidente nas mulheres da cidade e do País.
Fonte: IDVF
Leia Mais ►

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada