Óleo de peixe na gravidez aumenta a imunidade do bebê

Um novo estudo aumenta a evidência de que suplementos de óleo de peixe na dieta de mulheres grávidas podem reforçar o sistema imunológico dos bebês.

Nesse estudo, os bebês superaram mais rapidamente os resfriados quando suas mães haviam ingerido 400 miligramas de suplementos contendo ácido docosa-hexaenóico (DHA) durante a gravidez.

O DHA é importante para o feto e bebês recém-nascidos, e as mulheres grávidas devem se certificar de ingerir a quantidade necessária, preferencialmente a partir de peixes, e caso não seja possível, a partir de suplementos.

O estudo fez parte de um amplo ensaio clinico controlado conduzido no México. Os últimos resultados são baseados nos dados de 800 mulheres, metade das quais ingeriu suplementos de DHA diariamente durante a gravidez.

As crianças do estudo foram examinadas com 1, 3 e 6 meses de idade, e suas mães foram questionadas se nas duas semanas anteriores os bebês haviam apresentado sintomas como congestão, muco, vômito e erupções cutâneas, bem como sobre quanto tempo esses sintomas duraram.

Embora os dois grupos tenham apresentado número semelhante de doenças, as crianças cujas mães ingeriram DHA tiveram muitos sintomas reduzidos.

DHA é um dos três ácidos graxos do tipo ômega-3, encontrado nos peixes e óleos de peixe. Embora o DHA tenha se mostrado benéfico para o desenvolvimento cognitivo, para o desenvolvimento imunológico e na prevenção de doenças cardíacas, ele não integra a dieta da maior parte dos americanos. Gestantes também devem ficar preocupadas com o consumo de peixes por causa do teor de mercúrio.

Mas um crescente número de pesquisas está mostrando que o DHA pode fornecer uma série de benefícios para os bebês.

O DHA é vital para o desenvolvimento do cérebro e da visão infantis. Pode ser também importante para o desenvolvimento dos sistemas cardíaco, vascular e imunológico.

Os pesquisadores continuam a investigar os benefícios a longo prazo do DHA e irão estudar até os 5 anos do desempenho escolar, entre outros resultados, das crianças.

A investigação também vai permitir aos pesquisadores examinar alguns dos resultados menos encorajadores do estudo e ver se eles devem se tornar áreas de maior preocupação. Enquanto a duração dos sintomas de resfriados foram menores em crianças ingerindo DHA, essas crianças tiveram erupções cutâneas e crises de vômitos durante mais tempo.

Um pequeno número de doenças pode ter orientado o estudo, considerando que resfriados eram uma preocupação muito maior do que vômitos, já que mais de 200 constipações ocorreram, mas apenas 30 episódios de vômitos.

Tal como acontece com muitos nutrientes, os benefícios de DHA podme variar com a dose tomada. Por exemplo, enquanto a vitamina C pode proporcionar benefícios na defesa contra resfriados, a superdosagem de vitamina não parece oferecer um benefício maior, podendo inclusive ser prejudicial em alguns casos.

Da mesma forma, os grandes benefícios do DHA em diversos estudos pode ser resultado de pessoas que estavam tendo deficiência desse nutriente. Doses adicionais de DHA podem não beneficiar pessoas que já obtêm o nutriente de sua dieta.

Fonte: LiveScience
Conteúdo do Saúde da Mulher é informativo/educativo. Não exclui consulta com profissional de saúde. Este artigo pertence ao Saúde da Mulher. Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo.

Não indicamos medicamentos, pois apenas um médico, dentista e farmacêutico são autorizados a prescrever prescrever medicamentos e, ainda sim, em um local físico de trabalho.

Fornecemos aconselhamento/assistência farmacêutica.

Infelizmente, não conseguimos responder a todas as perguntas, mas muitas são respondidas pelos próprios internautas que veem as perguntas e as respondem.

ATENÇÃO!
Respostas que não foram escritas pelo Saúde da Mulher NÃO são de responsabilidade do Blog.

Não encontrou o que buscava? Pesquise

Pesquisa personalizada