Óleo de manga para os cabelos: benefícios principais

Os óleos capilares fazem muito sucesso com as mulheres. E atualmente há muitos deles - para nossa felicidade - no mercado. O mais recente deles é o óleo de manga para os cabelos.

O óleo de manga para os cabelos faz muito bem especialmente  às fibras capilares. O uso de produtos à base de manga (inclusive a polpa da fruta in natura) têm resultado em cabelos bem cuidados, hidratados e brilhantes.

Os cabelos danificados pelo sol, água salgada e cloro se beneficiam do óleo de manga, que se tornou um grande aliado durante e após o verão e os dias quentes de praia e piscina.

Óleo de manga para os cabelos: benefícios principais
Óleo de manga para os cabelos: benefícios principais

Óleo de manga para os cabelos - benefícios


Extraído do caroço da manga prensado a frio, o óleo de manga é rico em:

  • vitaminas: A, C, B1, B2 e B5, 
  • minerais: fósforo, cálcio, ferro, gorduras e hidratos de carbono. 
  • triglicerídeos que nutrem intensamente o cabelo já ressecado e previnem ressecamento futuro.

Óleo de manga - como usar nos cabelos?


1. No shampoo

O tratamento com óleo de manga para os cabelos pode ser feito adicionando o óleo no shampoo, e em máscaras capilares.

Quanto de óleo de manga colocar no shampoo? (sempre para cada 100 ml)

  • Cabelos extra-ressecados: 15 gotas
  • Cabelos normais a ressecados: 10 gotas
  • Cabelos oleosos na raiz, mas seco nas pontas: 5 gotas apenas


 Mas não adicione ao condicionador, pois o óleo deve ser removido totalmente dos fios, e só então, ser aplicado o condicionador.

2. Diretamente nos fios

Faça uma mistura com partes iguais de azeite e óleo de manga. Aplique nos cabelos levemente úmidos (menos na raiz). Coloque uma toca térmica e deixe por 15 minutos. Leve como de costume. Faça 1 vez a cada 15 dias e em cabelos muito ressecados alterne quinzenalmente com a mesma mistura usando óleo de abacate, ao invés do óleo de manga, o resultado desta alternância será incrível! Depois me contem se gostaram tá?

3. Óleo de manga como finalizador

Assim como os óleos industrializados feitos especialmente para os cabelos, o óleo de manga pode ser utilizado, Assim, com os cabelos secos, coloque uma pequena gota na palma das mãos. Esfregue as mãos e aplique nas pontas e depois (o que sobrar nos dedos - mesmo que você não veja) passe suavemente as mãos da metade das madeixas para baixo.


- Leia mais sobre Saúde dos Cabelos


Óleo de manga para o corpo


O óleo de manga pode ser adicionado às loções corporais, cremes para as mãos e para os pés. Neste caso use 10 gotas para cada 100 ml de creme.

A pele e as unhas, também ficam nutridas e hidratadas e macias e as unhas mais fortes. Use dez gotas de óleo de manga para cada 100 g de creme para mãos e unhas.

Óleo de manga para uso interno

O óleo de manga tem o mesmo aroma e sabor da polpa da fruta e pode ser usado, inclusive, na cozinha, para temperar saladas e pratos quentes.

- Leia mais sobre Beleza

Fonte: Óleos Vegetais
Leia Mais ►

Exames que a mulher precisa fazer anualmente

O costume de visitar o médico periodicamente (exames que a mulher precisa fazer anualmente) é muito importante para a saúde. Porém, infelizmente, é um hábito ainda muito ignorado. Quando se trata do ginecologista, por exemplo, é bastante comum que a correria do dia a dia faça com que a consulta seja adiada.

Exames que a mulher precisa fazer anualmente


“Se a paciente não apresentar alguma disfunção, o ideal é que a primeira consulta ginecológica seja marcada logo depois da primeira menstruação. A partir daí, a periodicidade deve ser anual”, aponta a especialista em obstetrícia e ginecologia Dra. Fabiane Andrade Vargas.

Exames que a mulher precisa fazer anualmente 

Exames que a mulher precisa fazer todos os anos


Dentre os exames que a mulher precisa fazer todos os anos estão:


1. Preventivo ou Papanicolau
É fundamental para o diagnóstico das primeiras alterações no colo do útero, que são fáceis de tratar, sendo recomendado pela maioria dos médicos a partir da primeira relação sexual e anualmente desde então. “O câncer de colo uterino é o que mais mata as mulheres no Brasil devido à falta do exame preventivo”, alerta a Dra. Fabiane.

2. Mamografia
Na opinião da maioria dos ginecologistas, esse exame, que detecta anormalidades no tecido da mama, deve ser feito anualmente a partir dos 40 anos de idade. Exceções são feitas para quem tem casos entre os parentes, pois quem tem história familiar de câncer de mama e para quem tem prótese de silicone pode ter que iniciar mais cedo o monitoramento e a prevenção.

Leia também: 10 motivos para fazer mamografia.

3. Hemograma
Esse exame oferece um parâmetro de como estão as células sanguíneas e as plaquetas, além de identificar inflamações, infecções e anemias. Ele deve ser pedido já na primeira consulta como parte do checkup.

4. Glicemia
Ajuda a identificar os níveis glicêmicos no sangue, inclusive para o diagnóstico da diabetes. Ele também deve ser solicitado na consulta inicial.

5. Sorologias
São ordenadas de acordo com o histórico e a suspeita de diagnóstico de cada paciente. “Os testes para as principais Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) também devem fazer parte de um bom checkup”, recomenda a doutora.

Leia também: Dicas para manter a região íntima feminina saudável.

6. TSH
É um exame de sangue indicado para avaliar as funções da tireoide. Dependendo dos sintomas, pode ser solicitado antes dos 40 anos, mas deve ser incluído regularmente na lista de procedimentos médicos.

7. Pós-menopausa
Esse é um período que atinge mulheres entre 45 e 50 anos. A partir daí, são necessárias outras checagens. “Solicitamos exames de função do fígado e do rim, bem como de colesterol total e frações, além de todos os citados nos itens anteriores.” Nesse momento, a Dra. Fabiane recomenda também uma avaliação com um cardiologista.

Leia também: Mulheres na menopausa podem ter infarto ao tomarem refrigerantes diet.

8. Densitometria óssea
Determina a densidade dos ossos do corpo humano. É importante que o exame seja realizado após os 50 anos, período em que se começa a perder eficiência óssea. Se os resultados forem normais na primeira checagem, a desintometria óssea deve ser repetida a cada dois anos. Mas a partir do momento em que aparecem alterações, a frequência recomendada é anual.

9. Ultrassom transvaginal e ultrassonografia mamária
Esses exames não são pedidos como parte da rotina médica por serem mais específicos. A intenção é avaliar os órgãos do sistema reprodutivo feminino. “A maioria dos médicos concorda com o fato de que eles só devem ser solicitados quando a paciente apresentar sintomas ou histórico familiar, e não como rotina”, avisa a especialista. A ultrassonagrafia mamária, por exemplo, pode complementar o diagnóstico em caso de mamas mais densas durante a mamografia.

10. Colposcopia
Trata-se de um exame mais detalhado do colo do útero. “A colposcopia deve ser solicitada em caso de alterações específicas do preventivo (Papanicolau) se a paciente apresentar sintomas ou quando o médico perceber algo suspeito durante o exame de rotina”, comenta Fabiane. A urocultura (exame de urina) é também pedida em casos de pacientes com sintomas específicos, como ardência ao urinar

Leia mais sobre Saúde íntima.

Fonte: Portal Vital (www.portalvital.com)

Leia Mais ►

Bumbum perfeito: Exercícios para glúteos bonitos


Exercícios para glúteos bonitos aliados a uma boa alimentação garantem ótimos resultados para os glúteos. A combinação além de ajudar a conquistar um quadril bonito, proporciona bons resultados para todo o corpo e também a saúde.

Bumbum perfeito: Exercícios para glúteos bonitos
Bumbum Perfeito / foto:VoThoGraf


Ter um bumbum perfeito é o sonho de grande parte das brasileiras. Mas para conquistá-lo é preciso investir na malhação, que ajudará a deixar os glúteos firmes, sem flacidez e celulite. Segundo a educadora física da Contours, academia só para mulheres, Juliana Karvalho, para ter um bumbum bonito com atividades físicas é importante a junção dos exercícios aeróbicos e localizados.

Leia também: Como conseguir o corpo perfeito sem sacrifícios.

“Aeróbicos para eliminar o excesso de gordura, principalmente na região do culote e os localizados para tonificar a musculatura. Fazer apenas exercícios localizados não garante um resultado eficaz”, afirma.

Juliana conta que os exercícios aeróbicos não são importantes apenas para conquistar um bumbum perfeito, mas também para melhorar o corpo em geral. Eles têm a função de queimar calorias e eliminar a gordura localizada. “Alguns exercícios aeróbicos, como a corrida pode ajudar a deixar a pele mais bonita devido ao impacto da pisada no solo estimular o tônus muscular”.

Para quem sonha com o quadril perfeito, a educadora da Contours montou um treino que pode ser realizado dentro e fora da academia, e que ajudará a conquistar o resultado desejado.

Leia também: Dança do ventre emagrece e os benefícios?

Exercícios para glúteos bonitos


1° Exercício Stiff

Ajuda a deixar o bumbum “empinado”, pois além dos glúteos, ele trabalha a região posterior de coxa.
Fazer em pé com os pés afastados na largura do quadril, manter a coluna reta e segurar a barra na linha dos ombros. Incline a coluna para frente mantendo as costas retas e desloque o quadril para trás descendo a barra até abaixo dos joelhos. Suba a coluna e retorne a posição reta.
Dica: Quanto mais você deslocar o bumbum para trás, mais solicitará a musculatura.

2° Agachamento unilateral a frente

No agachamento, os glúteos ficam mais firmes porque são responsáveis em sustentar o peso do corpo. Com a postura reta mantenha as pernas afastadas e um dos pés a frente apoiado no Step, flexione o quadril e os joelhos no ângulo de 90 graus e retorne a posição inicial. Inverta a perna e repita a série.

Dica: Mantenha as pernas bem afastadas e a coluna reta durante todo o exercício.

Leia também: Mulheres de meia idade são mais felizes com exercícios moderados.

3° Elevação de quadril com uma perna estendida

Deitada com o abdômen para cima, os braços ao lado do corpo, um dos joelhos flexionados e o pé apoiado no chão. Fazer a elevação do quadril com uma das pernas estendidas para o alto durante todo o movimento. Inverta a perna quando finalizar a série.

4° Glúteos 4 apoios com extensão de perna

Em posição quatro apoios, cotovelos e joelhos flexionados no chão fazer a elevação de perna mantendo a sempre estendida. Movimente de baixo para cima, contraia os glúteos e fique com a coluna alinhada para que o exercício seja 100% eficaz. Para intensificar o exercício utilize caneleiras de acordo com o seu condicionamento.

Dicas: Iniciantes devem começar os exercícios em 2 séries de 15 repetições cada e as avançadas de 3 a 4 séries de 15 repetições.

E aí, animada para deixar seu bumbum perfeito para o próximo verão?

Fonte: Contours - Academia para mulheres


Leia Mais ►

Olheiras: tratamentos, causas, tipos e prevenção


Conheça as causas, os tipos, modo de prevenção e os novos tratamentos para olheiras.

As olheiras são grandes inimigas de nós mulheres há muito tempo e vários fatores do dia a dia estão implicados na sua piora. Vamos conhecer as causas, os tipos e os novos tratamentos.

Olheiras: tratamentos, causas, tipos e prevenção
Olheiras: tratamentos, causas, tipos e prevenção / foto: kropekk_pl

Olheiras Causas


  • cansaço,
  • má alimentação (principalmente rica em muito sal - o que acaba por aumentar as bolsas sob os olhos), 
  • dormir pouco,
  • trabalhar demais, 
  • chorar,
  • ingestão excessiva de álcool
  • alergia na pele 
  • rinite alérgica
  • genética* (esta é a causa principal das olheiras e determinante sobre todas as outras). 

Segundo a dermatologista Dra. Daniela Ribeiro, "muitas vezes não conseguimos evitar o problema (*por ser genético) mesmo que tenhamos uma vida extremamente saudável".

Leia também: Itens de beleza pra lá de diferentes, inusitados mesmo!

Olheiras tratamentos


Hoje as técnicas mais modernas de tratamentos para olheiras, nos permitem corrigir e tratar as olheiras mais facilmente. São eles:
  • Peelings químicos,
  • Laser Elekra (laser Q-Swichted Fracionado),
  • Luz pulsada,
  • Preenchimentos a base de ácido hialurônico, com o skinbooster ou com o Ulthera
  • Laser Fracionado de Co2 ipixel com impact fazendo infusão de medicamentos (como a vitamina C e o ácido tranexâmico).


Antes de decidir qual o melhor tratamento é importante que um profissional médico dermatologista avalie qual o tipo da sua olheira para então poder fazer um plano de tratamento adequado para o seu caso.

A Dra Daniela explica que existem basicamente quatro tipos de olheiras:

Tipos de olheiras


1. Pigmentar - ocorre por depósito de pigmento na pele. As olheiras nesse caso são de cor marrom. Muito comum em pessoas de pele morena, em pessoas com tendência genética e alérgicos. O tratamento destas olheiras podem ser feitos com peelings químicos ou Laser Elekra (laser Q-Swichted Fracionado).

2. Vascular - ocorre quando existe um aumento de vasos sanguíneos na região ou por depósito de hemossiderina (um composto do sangue). Elas geralmente são avermelhas, azuladas ou arroxeadas. Podemos tratá-las com LUZ PULSADA.

Leia também: Sucos que evitam rugas.

3. Estrutural - ocorre por falta de tecido na região quando a pele fica muito fina e vemos o músculo por transparência ou até por formar uma sombra na goteira lacrimal deixando uma aparência de olho profundo. Muitas vezes o envelhecimento da região palpebral acaba acentuando esse tipo de olheiras. Geralmente são tratadas com preenchimentos a base de ácido hialurônico, com o skinbooster ou com o Ulthera (para melhorar a flacidez na região). Ou até combinando as técnicas.

4. Mista - é o tipo mais comum de olheiras. Geralmente existe uma combinação dos fatores acima levando às olheiras. Nesse caso uma mistura de tratamentos deverá ser utilizada. Além destes citados acima pode-se usar o Laser Fracionado de Co2 ipixel com impact fazendo infusão de medicamentos (como a vitamina C e o ácido tranexâmico).


Olheiras Prevenção


Na prevenção de olheiras, podem ser usados produtos tópicos como cremes e séruns e devem sempre ser utilizados para evitar as olheiras.

Leia também: Como esconder as olheiras com maquiagem.

A Dra Daniela ainda lembra que todos os tratamentos amenizam as olheiras mas não as fazem desaparecer portanto você sempre precisará tratar. Os tratamentos com produtos tópicos como cremes e séruns ajudam a prevenir a formação das mesmas e devem sempre ser utilizados mas não corrigem olheiras já formadas.

Leia Mais ►

Mamografia: dicas para sentir menos dor na mamografia

É quase um consenso, a mamografia dói, é o que quase todas as mulheres dizem, mas há várias dicas para sentir menos dor na mamografia. Mas sabia que há mulheres que não sentem dor na mamografia. Eu posso falar isso com extrema convicção, já que "eu não sinto dor na mamografia".

Isso foi absoluta verdade até a última vez em que fiz o exame de mamografia. Senti muita dor, muita mesmo. Fiquei 2 dias com muita dor. Quase não conseguia mexer os braços e fiquei à base de analgésicos e deitada. Um horror. Mas isso NÃO é motivo para você se assustar e correr ainda mais do exame.

Dicas para sentir menos dor na mamografia
Dicas para sentir menos dor na mamografia / foto: WaltiGoehner

E como o que senti foi completamente contraditório ao que sempre dizia a todos "Não sinto dor na mamografia", resolvi que era a hora de escrever um post sobre o assunto, para ajudar a várias mulheres que têm medo de sentir dores na mamografia. Como farmacêutica-bioquímica, elaborei algumas dicas para sentir menos dor na mamografia ou não sentir nenhuma dor.

Criei a listinha abaixo ao ficar pensando muito e muito sobre o porquê de eu ter sentido tanta dor, já que nunca havia doído e falo isso porque faço mamografia anualmente por causa de vários casos de câncer de mama em minha família. Vamos às dicas?

 Dicas para sentir menos dor na mamografia ou NÃO sentir dor na mamografia


Leia também: Mastite, sintomas e tratamentos.

Não faça o exame durante o período menstrual: que engloba a TPM (cerca de 7 dias antes da menstruação), durante o sangramento e até 5 dias após a menstruação. Algumas mulheres também ficam com as mamas sensíveis durante a ovulação.
  1. Apalpe as mamas no dia anterior e também no dia em que a mamografia estiver marcada. Se sentir dor, ligue para o laboratório para desmarcar a mamografia [não deixe de ligar, já que outra mulher poderá realizar o exame em seu lugar].
  2. Tome bastante água no dia anterior à mamografia e consuma menos sal e alimentos com sódio. Tudo isso porque a água retida no organismo poderá as mamas mais sensíveis à dor.
  3. Beba chá diurético (apenas 1 xícara) e coma alimentos diuréticos no dia anterior ao exame e até 4 horas antes da realização da mamografia. Pepino, salsão (aipo) e agrião são alguns exemplos de alimentos diuréticos.
  4. Se tiver cistos ou calcificação nas mamas, avise a pessoa que for realizar seu exame, pode ser que ela aperte menos e/ou posicione melhor as suas mamas no aparelho de mamografia.
  5. Faça mamografia digital. Os aparelhos com a tecnologia para fazer a mamografia digital comprimem menos as mamas, o que causará naturalmente, menos dor, incômodo e desconforto nos seios.
  6. Durante 1 mês antes de fazer a mamografia procure consumir alimentos com ácidos graxos "gordura" do bem, como o ácido linoleico e o gamalinoleico. Eles estão presentes em alimentos como castanha do pará, salmão, sardinha, e azeite extra virgem. Eles ajudarão a reduzir o efeito dos hormônios dos seios.
  7. Tome um analgésico ou anti-inflamatório 2 horas antes de fazer o exame. Mas atenção: use SOMENTE o analgésico ou anti-inflamatório que você toma ou já tomou.
  8. Faça massagens suaves (com ajuda de um creme) para ajudar a desinchar e eliminar o excesso de líquido que puder estar acumulado nas células do tecido dos seios.
  9. Se for possível, coloque gelo ou algo gelado no seio, por alguns minutinhos antes de fazer o exame. E se após o exame ainda ficar um pouco dolorido, pode colocar mais um pouco de gelo.

 Leia também: 10 motivos para fazer mamografia.

Espero que estas dicas de como evitar a dor na mamografia (ou amenizar a dor) ajudem a todas as mulheres que sentem dor na mamografia, mas que são corajosas o suficiente (e amam viver suficientemente) para não fugir da mamografia... Que anda salvando MUITAS VIDAS, e pode salvar a sua também.

Por Renata Fraia - farmacêutica e autora deste blog.

marcadores para este post: mamografia, dor na mamografia, mamografia dói.

Leia Mais ►

Mastite, sintomas e tratamentos

A dor nos seios durante a amamentação pode ser causada pela mastite e é comum a muitas mulheres no início da amamentação.

Saiba quais são os sintomas da mastite, as causas e o tratamento, em mais um artigo sobre a saúde dos seios.

Mastite, o que é


É uma inflamação da glândula mamária comum nas primeiras semanas após o parto. O aparecimento da mastite é muito comum entre as mulheres que amamentam.

Mastite, sintomas

  • Inchaço, 
  • vermelhidão,  
  • dor 

Os sintomas da mastite instalam-se numa das mamas, quase sempre nas primeiras semanas após o parto. É uma inflamação da glândula mamária, que tanto pode ser infecciosa como devido ao entupimento dos ductos mamários (os canais por onde passa o leite).

mastite sintomas e tratamentos
amamentação pode causar mastite




    É o típico ingurgitamento, fonte de dor em muitas mulheres que amamentam.

    Os sintomas da mastite tendem a aparecer em apenas uma das mamas, raramente em ambas. Ao inchaço e à dor podem juntar-se a febre e um mal-estar geral, que em nada contribuem para a tranquilidade desejada no momento de amamentar o bebê.

    Um desconforto que, aliado ao receio de passar a infecção para o bebê, pode levar a mulher a desistir precocemente de amamentar.

    Todavia, não há razões médicas que o justifiquem. Não há risco de o bebê ficar infectado e o mais que pode acontecer é que o leite tenha um sabor diferente.

    Artigos que você poderá gostar...


    Mastite infecciosa

    Na mastite infecciosa, as bactérias ‒ existentes na pele da mulher ou na boca do bebé‒ penetram na glândula mamária através de uma lesão na pele da mama ou através da abertura dos ductos mamários, no mamilo. Uma vez nos tecidos internos da mama, as bactérias multiplicam-se, causando dor, vermelhidão e inchaço e obstruindo a passagem do leite.

    Mastite por entupimento do canal do leite

    Pode acontecer também que a doença não tenha origem infecciosa, sendo a inflamação consequência do acumular de leite nos ductos, por insuficiente esvaziamento da mama.

    Mastite, tratamentos

    Recorra a um médico, pois se a causa da doença for infecciosa é necessário um antibiótico, que deve ser tomado até ao fim (ou de acordo com indicações específicas do prescritor) ainda que os sintomas melhorem ou desapareçam.

    Tratar a mastite é importante para prevenir algumas das suas complicações. Desde logo o desenvolvimento de abcessos mamários ‒ pequenos nódulos com pus que podem requerer drenagem cirúrgica. Outra das complicações possíveis envolve o alastramento do leite acumulado nos ductos ao tecido mamário circundante, causando maior dor e inflamação. Há ainda que ter em conta o fato de a doença ser recorrente, podendo repetir-se durante o tempo de amamentação do mesmo bebé ou após um segundo parto.

    Em regra, o tratamento da mastite infecciosa prolonga-se por duas semanas caso haja necessidade de tomar anbióticos. Se os sintomas entretanto não cessarem é melhor voltar ao médico, pois há uma forma rara de cancro da mama ‒ inflamatória ‒ que também se manifesta através de vermelhidão e inchaço, podendo inicialmente ser confundida com a doença.

    Paralelamente ao tratamento, a mulher pode adotar uma série de cuidados que lhe vão proporcionar alívio. É o caso da aplicação de compressas mornas sobre a mama afectada e da ingestão reforçada de líquidos.

    Continuar a amamentar também ajuda, pois estimula o fluxo de leite, prevenindo o ingurgitamento.

    E ao mesmo tempo permite ao bebê desfrutar daquele que é, reconhecidamente, o melhor alimento no primeiro ano de vida.

    Mastite, prevenção

    Ao amamentar, há alguns gestos que ajudam a prevenir a mastite ou atenuá-la:

    • Esvazie completamente uma mama antes de passar para a outra
    • Na refeição seguinte, comece pela mama que ofereceu ao seu bebê em último lugar na refeição anterior
    • Retire leite com uma bomba própria se sentir a mama demasiado cheia e ainda faltar tempo para a próxima refeição do bebê
    • Não amamente sempre na mesma posição
    • Não deixe o seu bebê usar a mama como chupeta
    • Use um sutiã adequado, com reforço
    • Aplique um creme nutritivo próprio para os seios para prevenir as fissuras. Fonte

    + sobre Saúde dos Seios
    Leia Mais ►

    Adoçantes que grávidas diabéticas podem usar

    Se você for diabética e estiver grávida deve estar com a seguinte dúvida: Qual adoçante uma grávida com diabetes pode usar?

    Confira o que se sabe de mais recente sobre o uso dos adoçantes na gravidez de acordo com a ADA (American Diabetes Association):

    Adoçantes que grávidas diabéticas podem usar


    Adoçantes proibidos na gravidez! (adoçantes que você deve evitar se estiver grávida)



    Adoçantes que grávidas diabéticas podem usar
    Adoçantes que grávidas diabéticas podem usar

    - Ciclamato de Sódio: Este adoçante pode atravessar a placenta e causar danos genéticos ao bebê. Passe longe!


    - Sorbitol: Não é tóxico nem carcinogênico, porém pode provocar flatulência, cólicas e diarreia, além de aumentar a perda de cálcio na urina. Evite o excesso.

    Leia também: Diabetes gestacional

    - Frutose: Açúcar natural das frutas e do mel pode provocar hiperglicemia e aumento dos triglicerídeos no sangue, por isso, evite-os durante a gravidez. Mas atenção, não há motivos para tirar as frutas da sua rotina.

    - Esteviosídeo: Apesar de natural, é desaconselhado para gestantes pela falta de estudos que comprovem a sua segurança. Pelo seu gosto amargo, é geralmente associado a outros edulcorantes, como a sacarina e o ciclamato de sódio. Fique atenta!

    Adoçantes permitidos na gravidez! (adoçantes que você pode usar se estiver grávida)


    - Sucralose e Acesulfame K: Não apresentam gosto residual, não são tóxicos ou carcinogênicos para mãe e filho. Liberados!

    - Aspartame: Antes muito criticado, o aspartame já foi inocentado. Uma gestante teria de consumir no mínimo 240L de bebidas adoçadas por dia para atingir uma quantidade tóxica. Também não existem evidências até o momento de que o aspartame atravesse a placenta, despreocupando os portadores de fenilcetonúria, (doença na qual há problemas no metabolismo do aminoácido fenilalanina, parte da composição do aspartame). Ainda sim, o uso deve ser moderado durante a gestação.


    - Sacarina: Ainda há muitas dúvidas sobre os seus efeitos transplacentários, porém ela faz parte da lista de uso permitido. O problema é que, por causa de seu gosto amargo, é sempre associada a outros edulcorantes, como ciclamato de sódio. Se for esse o caso, evite!


    - Neotame: É um derivado do aspartame e menos de 20% da fenilalanina é liberada no sangue. Sem efeitos tóxicos, o uso desse adoçante para gestantes está liberado.

    Atenção:

    Sempre leia o rótulo para garantir o consumo apenas dos edulcorantes permitidos durante a gravidez. Além disso, procure variar os tipos de adoçantes durante a gravidez.

    Assim, quando o frasco acabar, compre outro com adoçante diferente. Você evitará chegar perto do consumo máximo permitido. Na dúvida sobre sua alimentação procure um nutricionista. Siga a orientação do seu médico!

    Fonte: Einstein (Rachel Helena Vieira Machado, nutricionista clínica do Einstein)​

    Leia mais sobre GESTAÇÃO
    Leia Mais ►

    Dicas para manter a região íntima feminina saudável

    A região íntima feminina necessita de cuidados especiais porque é uma área de mucosa que permanece a maior parte do tempo abafada por calças, ou seja, não há ventilação. A umidade do local e o pH vaginal favorecem o aparecimento de fungos como a Cândida albicans que causa problemas como candidíase/ vaginite.

    Mas alguns cuidados podem manter a região íntima da mulher saudável, como fazer uma boa higiene da região genital da mulher. Confira!

    Dicas para manter a região íntima feminina saudável

    1. Use sabonetes com pH ácido (entre 3,5 e 5), que são os sabonetes líquidos específicos para a região íntima feminina, os sabonetes íntimos femininos. Eles deixarão a região íntima feminina com o pH adequado, entre 4 e 4,5.
    2. Não abafe a região, pois isso promove o desenvolvimento de fungos o que pode causar vaginite, por exemplo.
    3. Evite usar os protetores diários de calcinha (mini-absorventes) e roupas apertadas. Invista em lingeries de algodão para usar no dia a dia.
    4. Lave a calcinha com sabonete próprio. Os convencionais e os detergentes em pó ou líquidos podem causar irritações e/ou alergias no seu corpo.
    5. Na praia ou piscina, não fique com o biquíni molhado. Troque-o se não for mais mergulhar já que o ambiente úmido e quente favorece a proliferação de fungos e bactérias.
    6. Não depile os pelos pubianos da região íntima. Eles protegem a região íntima feminina, então evite apará-los totalmente.
    7. Troque os absorventes (externo ou interno), no máximo, a cada quatro horas. Após esse período o absorvente torna-se um irritante e ambiente propício ao desenvolvimento de bactérias e fungos.
    Leia Mais ►

    Itens de beleza pra lá de diferentes, inusitados mesmo!


    Uma matéria de beleza publicada pela Harper's Bazzar EUA, reuniu itens de beleza diferentes. Na verdade eles são muito inusitados! Confira!

    Itens de beleza diferentes - inusitados!
    Itens de beleza diferentes - inusitados! - foto: Pixabay

    Itens de beleza diferentes - inusitados!


    - Gosma de caracol (ou muco de caracol): contém um rico grupo de proteínas e aminoácidos com forte capacidade de hidratação. A substância pouco comum, e que pode parecer insuportável para alguns, compõe o Immunocologie Super 7 Elixir Face, da marca Immunocologie, e custa $325 dólares, cerca de R$871.

    - Células humanas cultivadas: possuem a capacidade de renovar a pele, graças à sua combinação de proteínas. Originalmente, foram utilizadas em remédios para queimaduras e, posteriormente, em produtos de skincare. Presente em cosméticos da SkinMedica e Neocutis.

    - Cera de lã: também conhecida como lanolina, a substância não compromete animais em seu procedimento de extração. Segundo especialistas, da mesma forma que a pele humana produz oleosidade, a da ovelha também, e o resultado é um hidratante sem comparações. A substância é utilizada no balm Bite Beauty Agave Lip Mask, e custa $26, cerca de R$69.

    >> Leia mais sobre Cosmiatria no saúde da mulher

    - Enzimas de peixe: são utilizadas para esfoliar a pele, funcionando como uma alternativa a esfoliação com ácidos. As enzimas são encontradas em produtos da marca Retorsea.

    - Placenta: o órgão que só existe durante a gestação é rico em proteínas, fortalecendo cabelos e pele. Algumas plantas possuem resultado semelhante, mas a eficácia é incomparável. Ingrediente encontrado no Hask Placenta No Rinse Hair Repair Treatment, a $4, cerca de R$6.

    - Veneno de abelha: a temida picada do inseto agora ganha um novo sentido. Contendo variadas enzimas e peptídeos, é utilizado para preencher rugas e linhas de expressão. Presente no sérum Rodial Bee Venom Serum, e custa $200, cerca de R$536.

    - Excremento de pássaros: também conhecido como "guano", contém ureia e um aminoácido conhecido como ganina, que iluminam e suavizam a pele. O tratamento com a substância pode ser feito no The Geisha Facial, no spa Shizuka, em Nova York, pelo preço de $180, cerca de R$480.

    - Conchas de insetos trituradas: utilizadas para obter o famoso "vermelho fatal" encontrado em produtos de maquiagem. Ao que parece, os casulos de insetos produzem os vermelhos mais atraentes. O ingrediente pode ser encontrado no batom líquido Becca Beach Tint, pelo preço de $25, cerca de R$70.

    >> Leia mais sobre Beleza no saúde da mulher

    Fonte: Harper's Bazzar

    Leia Mais ►

    Candidíase na gravidez prejudica o bebê?

    A candidíase na gravidez é muito comum, já que nesta fase o pH vaginal fica alterado, facilitando a contaminação por fungos como o da candidíase.

    Candidíase na gravidez prejudica o bebê?


    A resposta é simples e vai deixá-la aliviada se estiver grávida e com candidíase. Não! A candidíase na mãe não prejudica o bebê, pois a infecção é localizada na área vaginal da mulher.

    No entanto, se você tiver candidíase no momento do parto, há uma pequena chance de contágio quando a criança passar pelo canal vaginal em caso de parto normal.

    Se estiver com sintomas de candidíase ou outra vaginite não deixe de avisar o médico para tratar antes de o parto acontecer.

    Candidíase na gravidez prejudica o bebê?
    Candidíase na gravidez prejudica o bebê?

    No entanto, se na hora do parto você ainda tiver o problema, AVISE o obstetra (o médico que estiver fazendo o parto), isso poderá evitar que o recém-nascido entre em contato com a infecção.

    >> Leia tudo sobre Candidíase!

    E qual o problema da infecção por candidíase no bebê recém-nascido?


    Esta infecção pode provocar feridinhas brancas na boca do bebê (o famoso sapinho). O problema ainda pode ser transmitido para os seios da mãe por causa da amamentação.


    Dicas Saúde da Mulher
    1. Evite alimentos muito ácidos (limão e outras frutas cítricas e vinagre) quando estiver com sintomas de candidíase, pois eles podem causar sintomas parecidos aos da infecção. 
    2. Se você está grávida e com candidíase saiba que a infecção por cândida não é grave e pode ser tratada facilmente.
    Leia Mais ►

    Não encontrou o que buscava? Pesquise

    Pesquisa personalizada
    sem acentos